Divulgação
Divulgação

Dióxido de carbono já foi responsável por várias mudanças climáticas

Estudo de equipe norte-americana mostrou que eventos climáticos já foram mais comuns que o imaginado

estadão.com.br,

17 de março de 2011 | 18h16

Um estudo do Instituto de Oceanografia Scripps, de San Diego, concluiu que mudanças climáticas não são fenômenos tão raros quanto se poderia imaginar. O professor de Geologia Richard Norris disse que a liberação de dióxido de carbono encontrado nas profundezas dos oceanos é uma forte evidência do que se pode chamar "hipertermal". A pesquisa foi publicada na edição desta semana da revista Nature.

Veja também:

linkComo prever o efeito das atividades humanas

De acordo com as análises feitas pela equipe de Norris, as temperaturas subiram entre 2º C e 3º C na maioria dos eventos analisados, números que coincidem com as previsões mais conservadoras das atuais discussões sobre o aquecimento global para as próximas décadas. Também foi verificado que estes períodos mais quentes duraram cerca de 40 mil anos antes de retornarem às temperaturas anteriores.

Os hipertermais ocorreram aproximadamente a cada 400 mil anos em uma época mais quente da Terra, há cerca de 50 milhões de anos. A mudança mais crítica ocorreu durante a transição de um evento conhecido como Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno, período onde foi verificado uma mudança entre 4ºC e 7ºC. Foram necessários 200 mil anos para que a temperatura voltasse à marca anterior.

Os pesquisadores acreditam que o estudo poderá ajudar a compreender o impacto que este tipo de mudança provoca nos ecossistemas marinhos, no clima e nos oceanos. Eles também pretendem estudar a mudança climática ao contrário, ou seja, analisando a forma como as antigas temperaturas se reestabeleceram.

De acordo com Norris, os fenômenos hipertérmicos fornecem uma perspectiva do que a Terra irá experimentar se os combustíveis fósseis continuarem a ser uma das principais fontes de energia. A concentração de dióxido de carbono na atmosfera apresentou um aumento de cerca de 50% após o início da Revolução Industrial. "Levando-se em conta os registros geológicos, nos próximos 100 a 300 anos nós poderemos produzir um sinal na Terra que levará dezenas de milhares de anos para se equilibrar", disse Norris. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.