Divulgação
Divulgação

Especialista em doenças negligenciadas celebra resultado do Nobel

'Nobel é reconhecimento de que pesquisa em parasitologia tem impacto na saúde global', disse o economista Eric Stobbaerts

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2015 | 16h04

Atualizada às 21h58

Diretor executivo da Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas América Latina (DNDi, na sigla em inglês), o economista Eric Stobbaerts saudou a concessão do Prêmio Nobel de Medicina a cientistas que estudam verminoses e malária, doenças que afetam pessoas em condição de pobreza. 

“É muito importante o reconhecimento de que a pesquisa e o desenvolvimento de medicamentos em parasitologia têm impacto importante sobre a saúde global. E é uma inspiração para que novas descobertas sejam feitas”, afirmou Stobbaerts. 

O pesquisador ressaltou, no entanto, que não se pode “abaixar os braços”. “Só o reconhecimento não é suficiente. É preciso haver mais atenção dos financiadores para medicamentos que envolvam a parasitologia.”

Stobbaerts lembra que as doenças negligenciadas, como malária, Chagas e filariose, recebem menos de 3% do investimento de laboratórios em pesquisa e desenvolvimento. Apesar disso, afetam 90% da população mundial.

A DNDi, instituição fundada com o dinheiro do Prêmio Nobel de Medicina de 1999, conferido à organização Médicos Sem Fronteiras, dedica-se a fomentar pesquisa para remédios contra doenças negligenciadas em todo o mundo. Seis medicamentos já foram criados com a participação da DNDi. Entre eles está o ASMQ, contra a malária, que combina as substâncias artesunato e mefloquina. A bioquímica Youyou Tu, uma das ganhadoras do Nobel de Medicina anunciado nesta segunda-feira, 5, foi a cientista que isolou a substância artemisina. Trata-se do princípio ativo contra a malária, que deu origem ao artesunato.

Produtos naturais. Além do reconhecimento dado pelo prêmio às doenças negligenciadas, cientistas também comemoraram o destaque dado a uma descoberta que envolve substâncias extraídas de plantas, no caso da pesquisa realizada por Youyou Tu. “Achei a escolha muito boa. Finalmente a área de pesquisa em produtos naturais foi reconhecida”, disse Mary Ann Foglio, pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que liderou, na década de 1990, o grupo de cientistas que aclimatou a artemísia ao Brasil e desenvolveu a patente para produção no País de medicamentos com base em artemisina.

Segundo Foglio, o fato de ter origem em produtos naturais, torna o prêmio para Youyou Tu ainda mais justo. “O desafio nessa área é muito grande. Por vezes o cientista testa um extrato, tenta identificar os compostos e, à medida que os purifica, eles perdem todo o poder de ação.” 

Essas dificuldades indicam, segundo ela, que além de muito trabalho, a pesquisadora chinesa teve muita perspicácia em suas abordagens. “Ela identificou e isolou o composto em 1970, quando as técnicas não eram tão sensíveis como hoje. E a aplicação foi incrivelmente rápida: na década de 1980 os chineses já produziam o medicamento em larga escala”, disse. / COLABOROU FÁBIO DE CASTRO

Mais conteúdo sobre:
Prêmio Nobel Medicina malária

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.