Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Diretora da OMS elogia 'transparência do País' no combate ao zika

Em seu primeiro dia de visita ao Brasil, Margaret Chan se encontrou com a presidente Dilma e se disse 'impressionada'

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

23 Fevereiro 2016 | 20h15

BRASÍLIA - Em seu primeiro dia de visita ao Brasil, a diretora geral da Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan, elogiou o desempenho de autoridades brasileiras na condução de medidas para enfrentar o aumento de casos de nascimento de bebês com microcefalia, disse que o País assumiu um papel de liderança e procurou passar uma mensagem tranquilizadora sobre eventuais riscos para turistas e atletas, durante a Olimpíada.

Ao chegar ao Centro Nacional de Gerência de Riscos e Desastres (Cenad) do Ministério da Defesa nesta terça-feira, 23, pouco depois de se encontrar com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, a diretora disse estar bem impressionada com as ações para mobilizar a sociedade civil, setores religiosos e empresariado . "Nunca tinha visto uma liderança atacar o problema com tamanha velocidade e seriedade", disse.

Margaret afirmou entender a preocupação e ansiedade em torno da zika e microcefalia. Referindo-se ao Aedes aegypti como "grande inimigo", a diretora  ressaltou a importância de se compartilhar informação e de se trabalhar no combate aos criadouros. "Dois terços estão em residências, daí a necessidade de se informar a população."

A diretora destacou ainda a importância da mídia. "Vocês têm um papel essencial para levar informação à população, em particular para mulheres, para que elas tenham informações necessárias para tomar decisões corretas", completou. Há duas semanas, o Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) defendeu que países fizessem uma avaliação sobre suas próprias leis, abrindo caminho para a interrupção da gravidez no caso de a gestante ser contaminada pelo vírus da zika.

Margaret  elogiou também a transparência do governo brasileiro para compartilhar informações relacionadas a zika e microcefalia. A afirmação foi vista como uma defesa ao governo às críticas feitas nas últimas semanas por representantes da comunidade científica internacional. Eles se queixaram que o Brasil estaria resistindo em repassar informações importantes para condução de pesquisa em centros internacionais. "O governo está sendo transparente. Compartilhando todas informações que tenham sido obtidas", afirmou.

A diretora falou também sobre assistência. Disse ser "visível" o empenho da presidente Dilma e do ministro Marcelo Castro em ofertar para famílias os melhores cuidados para que elas possam se prevenir e tratar a doença, caso ela ocorra. "Muita gente me pergunta sobre a Olimpíada", disse. "O governo está trabalhando de forma constante. Posso assegurar que teremos um plano muito bom e alvos muito bons para as pessoas que venham terem o máximo de proteção. Estou confiante", completou.

Planalto. A reunião de Margaret com a presidente durou mais de duas horas. Dilma informou a diretora que irá nesta quarta-feira, às 14h30, no Rio, conhecer os trabalhos que estão sendo desenvolvidos no combate ao vírus da zika pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Na audiência, segundo o Planalto, Margaret Chan elogiou a "coragem" do País em ter decretado estado de emergência para combater as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Ao elogiar a transparência do Brasil no tratamento da doença, a diretora também teria dito que esse comportamento ajuda todos os demais centros de pesquisa do mundo a avançar nos estudos. Ainda segundo o Planalto, na conversa, a diretora disse ainda que a Organização Mundial de Saúde tem "todo interesse" em prosseguir com a cooperação no combate ao mosquito, ressaltando que só a conscientização da população ajudará na eliminação dos focos das doenças causadas pelo Aedes. / COLABOROU TÂNIA MONTEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.