Distribuição de medicamentos gratuitos na Paraíba aumenta 383% em seis meses

Dados do Vigitel apontam que 6,3% da população têm diabetes e 25,4% tem hipertensão

26 Julho 2011 | 16h25

SÃO PAULO - A oferta de medicamentos de diabetes e hipertensão aumentou 383% para os moradores da Paraíba no primeiro semestre deste ano, informou o Ministério da Saúde nesta terça-feira, 26.

Em janeiro 5.669 pessoas retiraram esses tipos de fármacos nas drogarias credenciadas, enquanto que em junho foram 27.358.

Na Paraíba, o número de diabéticos beneficiados era de 1.468, em janeiro, e passou para 6.663, em junho. O crescimento foi de 354%. A distribuição dos medicamentos para a hipertensão que chegava a 4.859 pessoas em janeiro foi ampliada para 24.326 em junho, o que representou um aumento de 401%.

Em todo o País o número de beneficiados era de 853 mil, em janeiro, e chegou a 2,3 milhões, em junho. O aumento foi de 168% nos primeiros seis meses do ano.

A distribuição dos medicamentos faz parte do programa "Saúde Não Tem Preço" que integra as iniciativas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o estudo Vigilância de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), 2010, que considera o diagnóstico médico referido pelo entrevistado, a hipertensão arterial atinge 23,3% da população adulta brasileira (maiores de 18 anos).

O porcentual de hipertensos é de 25,4% da população adulta, em João Pessoa. Destes, 21,4% são homens e 28,7% são mulheres.

Já o diagnóstico de diabetes é acusado por 6,3% da população adulta. A incidência maior é nas mulheres, com 7%. O diabetes atinge 5,4% dos homens. Em João Pessoa, 4,6% da população possui diabetes. Desse porcentual, 4,7% são do sexo masculino e 4,4% são do sexo feminino, de acordo com o Vigitel.

Receita médica

Para fazer parte do programa, o usuário precisa apresentar receita médica, além de CPF e documento com foto. Mais informações pelo fone do Disque-Saúde (0800-61-1997) e pelo e-mail analise.fpopular@saude.gov.br.

Mais conteúdo sobre:
diabetes hipertensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.