Edgard Garrido/Reuters
Edgard Garrido/Reuters

Distúrbios que afetam as lembranças

Conheça as doenças mais comuns que levam à perda da memória

Estadão.com.br,

09 de maio de 2012 | 15h38

Mal de Alzheimer

Comum em idosos, a doença se caracteriza pela incapacidade do paciente de se lembrar de eventos recentes - a degeneração da memória a curto prazo. O mal de Alzheimer piora com o tempo, e sintomas nos estágios mais avançados incluem a debilitação de habilidades cognitivas e de linguagem, instabilidade emocional e até perda de memória a longo prazo. 

A doença ainda não tem cura, mas o tratamento - à base de medicações e reabilitação neuropsicológica -  permite retardar a degeneração e reduzir os sintomas. Manter o cérebro "trabalhando" durante todas as fases da vida é a melhor forma de evitar o Alzheimer, de acordo com o neurologista Erich Fonoff, do Hospital Sírio-Libanês.  

Amnésia

Ocorre quando o cérebro perde a capacidade de processar e armazenar informações obtidas a curto ou longo prazo, seja por causa do mau funcionamento das células nervosas, seja devido a um trauma psicológico que inibe as lembranças. O distúrbio pode se aplicar às memórias adquiridas antes ou depois do evento causador - geralmente um traumatismo craniano, um tumor cerebral, uso indevido de medicações ou deficiência de vitamina B. 

A perda da memória pode ser transitória ou permanente. No primeiro caso, o paciente perde a noção de quem é, o que faz, o que aconteceu, mas aos poucos - ou até imediatamente - retoma as lembranças. No segundo, mais comum em casos pós-traumáticos, os efeitos são irreversíveis. O tratamento, quando possível e se necessário, é feito com base na psicoterapia.  

Síndrome de Korsakoff

É um tipo específico de amnésia, relacionado ao déficit crônico de vitamina B1, comum em alcoólatras. Ocorre uma lesão no hipotálamo, uma pequena região na parte inferior do cérebro fundamental para a aquisição de novas memórias. O paciente sofre um déficit cognitivo irreversível e torna-se incapaz de adquirir e armazenar novas informações. É uma síndrome bastante rara e, até agora, não tem cura. 

Tudo o que sabemos sobre:
DistúrbioslembrançasSaúdeVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.