Vivi Zanatta/AE
Vivi Zanatta/AE

DNA de cão será usado para identificar donos que não recolherem cocô

Moradores de um condomínio em Miami decidiram contratar uma empresa para arquivar o DNA dos cachorros do local, que usarão um colar com identificação

Efe

30 Junho 2011 | 14h58

MIAMI - A associação de moradores de um condomínio da Flórida (EUA) realizará exames de DNA nos excrementos de cachorros para identificar os donos que não recolherem o cocô de seus animais de estimação em áreas comuns, informa nesta quarta-feira o jornal "The Palm Beach Post".

A partir do dia 1º de agosto, os moradores deste condomínio de 485 casas pagarão uma taxa inicial de US$ 200 à empresa DNA Pet World Registry para arquivar o DNA dos cães, que usarão um colar com identificação.

Uma vez armazenada a informação, as amostras de excrementos encontrados nas áreas comuns serão enviadas a esta companhia, com sede no estado do Tennessee (EUA), para serem comparadas.

A associação de moradores Village of Abacoa, na cidade de Jupiter (costa leste da Flórida), ameaça impor uma multa de US$ 1 mil aos donos dos cães cujo DNA, extraído da saliva, coincidir com o das amostras de excrementos não recolhidos.

Segundo a associação, as despesas anuais de limpeza desses excrementos variam entre US$ 10 mil e US$ 12 mil.

Em caso de reincidência na infração, aqueles que não recolherem os dejetos de seus cães podem até mesmo perder a guarda dos animais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.