Agência Fapesp
Agência Fapesp

Doença similar à leishmaniose é descrita por cientistas

O parasita ainda é desconhecido, mas pesquisadores já identificaram que ele é diferente da Leishmania. A doença vem infectando pessoas desde 2011 em Aracaju

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2019 | 00h09

Uma nova doença, parecida com a leishmaniose visceral, mas mais grave e resistente, foi descoberta em Sergipe. Na capital, Aracaju, foram registradas 150 infecções e duas mortes. O parasita ainda é desconhecido, mas pesquisadores já identificaram que ele é diferente da Leishmania, responsável pela leishmaniose. 

Cientistas ligados à Universidade Federal de Sergipe (UFS), à Universidade de São Paulo (USP) e à Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) investigam a nova doença. Eles publicaram um artigo na Emerging Infectious Diseases, revista do Centro de Controle de Doenças Infecciosas (CDC) dos Estados Unidos, em que descrevem os primeiros achados.

Segundo o médico Roque Pacheco de Almeida, professor do Departamento de Medicina da UFS, a doença vem infectando pessoas desde 2011 em Aracaju, quando ele identificou o primeiro caso. O paciente não resistiu à infecção e morreu em 2012.

Segundo Pacheco, os sintomas são parecidos aos da leishmaniose visceral, mas tornam-se mais graves. Um dos pacientes tratados apresentou retorno da doença, com lesões na pele e pelo corpo inteiro. A biópsia indicou que as células estavam repletas de parasitas.

Os especialistas fizeram o sequenciamento de DNA do parasita e o compararam ao de outros protozoários. O grupo percebeu, então, que não se tratava de Leishmania. O parasita mais se assemelhava ao Crithidia fasciculata, que infecta apenas insetos. Essa nova espécie, porém, foi capaz de infectar humanos.

Agora, os pesquisadores pretendem descrever o parasita e nomear a nova doença. Enquanto isso, os 150 pacientes com suspeita de infecção em Sergipe passam por testes para identificar se, de fato, foram infectados pelo parasita.

Leishmaniose

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 50 mil e 90 mil pessoas adoecem todos os anos com leishmaniose visceral. Nos humanos, os sintomas da doença são febre de longa duração, aumento do fígado e do baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular e anemia. /COM AGÊNCIA BRASIL

Tudo o que sabemos sobre:
Aracaju [SE]leishmanioseParasita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.