Divulgação
Divulgação

Dono de rede de shoppings oferece respiradores em troca da reabertura de lojas em SC

Estado está em quarentena e mantém comércio fechado desde 17 de março, setores produtivos cobram do governador Carlos Moisés (PSL) medidas para afrouxar o isolamento

Fábio Bispo, especial para o Estado

06 de abril de 2020 | 11h00

FLORIANÓPOLIS - O CEO da administradora de shoppings centers Almeida Júnior, Jaimes Almeida Júnior, ofereceu 12 respiradores à Secretaria de Saúde de Santa Catarina caso o estado aceite proposta para reabertura das suas seis lojas no Estado. Em e-mail enviado ao governador Carlos Moisés (PSL), o grupo se propõe a disponibilizar vagas de estacionamento cobertas para realização de testes em massa e diz que o funcionamento dos estabelecimentos seguiria medidas de segurança, como afastamento mínimo entre mesas e controle de fluxo de pessoas.

A oferta é de dois respiradores para cada shopping instalado no Estado, com previsão de entrega em até um mês após a reabertura das lojas. “O governador ainda não se posicionou. As propostas que o grupo Almeida Junior fez ao Governo de Santa Catarina para a reabertura dos shoppings irão trazer muita segurança aos consumidores”, afirmou Jaimes Almeida Júnior ao Estado.

Questionado sobre como faria para realizar a compra e a entrega dos equipamentos, já que há uma grande demanda mundial por esses suprimentos, o CEO responde que “a empresa já está avaliando no mercado oportunidades da compra e entrega dos respiradores após a abertura dos shoppings”.

A administradora também informou que possui estoque do produto denominado SDST, que, segundo Jaimes Almeida Júnior, seria eficaz contra “microorganismos por até 90 dias após aplicação e secagem”. O produto seria aplicado em áreas comuns dos shoppings.

“Adquiri ao longo dos 40 anos que fundamos a Almeida Júnior um espírito público provocado naturalmente pelo nosso negócio – shopping centers são equipamentos privados de alma publica”, diz trecho da mensagem encaminhada ao governador. O grupo emprega cerca de 16 mil pessoas em seis estabelecimentos funcionando em cinco cidades: São José, Criciúma, Balneário Camboriú, Blumenau e Joinville.

O Estado apurou que a proposta estaria sob análise do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes), que esteve reunido neste fim de semana para avaliar a reabertura de alguns segmentos já a partir da próxima semana. O Estado procurou o governador Carlos Moisés para falar sobre a proposta, mas, até o momento, a assessoria de comunicação não respondeu aos pedidos de entrevista.

Governador é pressionado por setores

Desde o início da quarentena no Estado, que também suspendeu o transporte coletivo, o governador tem sido pressionado para reduzir o endurecimento das regras de isolamento social. Em 26 de março, após uma manifestação dos setores produtivos cobrando a retomada da economia, Moisés chegou a anunciar a reabertura do comércio, marcada para 1º de abril. No entanto, os impactos negativos do anúncio fizeram o governador recuar. A hashtag #SCNãoQuerMorrer ganhou força na internet após o anúncio.

Na semana passada, Moisés voltou a falar em liberação de determinados setores. Foram liberados setores ligados à construção civil — lojas e realização de obras — e o comércio de chocolates, que foi incluído na categoria de alimentos. Na sexta-feira, 3, Moisés anunciou em sua conta no twitter que outros setores podem ser liberados já a partir desta segunda-feira, 6. A lista não inclui shoppings centers. “No fim de semana estaremos estudando regras para que trabalhadores autônomos, profissionais liberais, consultórios de saúde e clínicas – importante grupo da atividade econômica – possam retomar atividades na 2ª feira”, escreveu Moisés.

Leia o trecho da proposta da Almeida Júnior (grifos do original):

“A ALMEIDA JÚNIOR na batalha contra o COVID 19 se propõe a contribuir com a Secretaria da Saúde de SC em São José, Criciúma, Balneário Camboriú, Blumenau e Joinville:

a) – em todos nossos shoppings espaços para VACINAÇÃO e EXAMES DE COVID 19 no modelo que convier à Secretaria da Saúde e no tempo que necessitar;

b) – doação à Saúde Pública do Estado de dois respiradores por shopping, por cidade, no primeiro mês de abertura dos shoppings – 12 RESPIRADORES”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.