Governo do Estado de São Paulo/Divulgação
Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

Doria afirma que desconhecia uso de tecnologia americana na Butanvac

Governador anunciou a nova vacina contra a covid-19 na sexta-feira e, na ocasião, afirmou que o imunizante é totalmente nacional, omitindo a contribuição de pesquisadores dos Estados Unidos

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2021 | 09h57

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, João Doria, disse em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 26, que "não sabia" que a tecnologia usada no desenvolvimento da Butanvac é importada. Ele anunciou a nova vacina contra a covid-19 na sexta-feira e, na ocasião, afirmou que o imunizante é totalmente nacional, omitindo a contribuição de pesquisadores dos Estados Unidos.

Em resposta a um jornalista, Doria disse que "não tinha essa informação" de que a tecnologia da Butanvac veio dos Estados Unidos. "Mas entendo que a Butanvac é uma vacina nacional", reforçou o governador. “Se ela tem tecnologia internacional é uma boa contribuição, isso é positivo. Temos que combater essa pandemia com todas as forças disponíveis no Brasil e no mundo."

O governador também disse estar confiante de que a análise da Anvisa será feita no “menor tempo possível” para que os ensaios clínicos de fases 1 e 2 iniciem logo. Ele afirmou que a relação do governo paulista com a Anvisa é boa e disse que a agência teria colocado a avaliação da Butanvac como prioridade.

No mesmo dia em que São Paulo apresentou a nova vacina, o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, também anunciou o desenvolvimento de outra vacina nacional, a Versamune. De acordo com o ministro, o pedido de análise da vacina foi feito à Anvisa na última quinta-feira, um dia antes dos anúncios. Questionado sobre a vacina anunciada pelo governo federal, Doria mandou o ministro “acelerar”.

Entrega de vacinas

Nesta segunda-feira o governador também anunciou a entrega de cinco milhões de doses de Coronavac produzidas pelo Butantan ao Ministério da Saúde. Este é o maior lote de doses envasadas pelo instituto. Ao todo, já foram entregues 32,8 milhões de doses ao País. Até o fim de agosto o instituto deve disponibilizar 100 milhões de doses do imunizante.

Atualmente, 85% das vacinas aplicadas no País são Coronavac. O Butantan informou que dobrou o quadro de funcionários da linha de envase para agilizar a produção da vacina. Entre os dias 6 e 8 de abril está prevista a chegada de uma nova remessa de insumo farmacêutico ativo (IFA) para produzir mais três milhões de doses do imunizante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.