Marcelo Chello/CJPress
Marcelo Chello/CJPress

Duzentos corpos em São Paulo aguardam resultado para exame do novo coronavírus

Informação foi divulgada pelo secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, durante coletiva à imprensa. Em nota, Estado afirma que resultados vão sair nas próximas 24 horas. São Paulo tem 16 mil exames aguardando resultado

Paloma Cotes, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2020 | 14h31

SÃO PAULO - Estado mais afetado pelo novo coronavírus no País, São Paulo tem 201 mortes que ainda aguardam resultados de testes para confirmação da doença. A informação foi dada pelo secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, 1. O governo do Estado foi questionado sobre mortes que estariam sendo registradas como casos suspeitos de coronavírus e se os números poderiam vir a aumentar com as confirmações. "Desse contingente, o que for positivo será acrescido ao balanço do número de óbitos. Uma parcela dos 201 vai dar positivo. São pesssoas que não foram confirmadas na época do óbito", disse o secretário. 

Em nota, o governo do Estado informou que esses óbitos deverão ter resultado divulgado nas próximas 24 horas, dado que o Estado está montando uma força-tarefa para a realização de testes. São Paulo tem 16 mil exames represados, segundo Germann.

De acordo com o governo paulista, unidades regionais do Instituto Adolfo Lutz estarão habilitadas a processar amostras, com capacidade de 500 exames por dia, podendo chegar até mil. Além disso, nesta semana o governo diz que receberá 20 mil kits de testes importados e 10 mil enviados pela Fiocruz, que serão distribuídos entre o Instituto Adolfo Lutz e outros laboratórios credenciados. A Secretaria Estadual da Saúde vai processar, a partir desta quarta, 720 amostras por dia no Centro Estadual de Análises Clínicas (Ceac) da Zona Norte, unidade que já é do Governo do Estado.

São Paulo tem atualmente 2.339 casos confirmados do novo coronavírus e 136 mortes. No Brasil, de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde, o País tem 201 mortes pela doença e 5.717 casos confirmados.

Como mostrou reportagem do Estado esta semana, funerárias particulares já registram aumento na quantidade de óbitos da ordem de 10% a 20% nas últimas semanas. Donos desses estabelecimentos afirmam que houve um aumento dos casos de óbito por problemas respiratórios. E familiares de pessoas que estão sendo sepultadas sem o diagnóstico fechado para covid-19 também reclama da situação, tanto pela perda dos familiares quanto por não terem elas mesmas sido testadas para a doença. 

Quarentena

O governador João Doria afirmou nesta quarta-feira, 1, que a quarentena será mantida no Estado de São Paulo até o dia 7. E que a ampliação ou não da medida só será anunciada no dia 6.  

A quarentena está em vigor desde o dia 24 de março e vale para todas as 645 cidades do Estado. O decreto fechou o comércio e serviços não essenciais, o que incluiu bares, restaurantes e cafés, que só podem funcionar com serviços de delivery. Podem funcionar: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, supermercados, hipermercados, mercados, padarias (mas não poderão servir alimentos no local), açougues, empresas de call center e telemarketing, postos de combustíveis, bancas de jornais, pet shops, clínicas veterinárias, empresas de transporte, táxis, serviços de transporte por aplicativo, construção civil, serviços de segurança, bancos, lotéricas, empresas de limpeza e manutenção e todas as indústrias.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.