Shawn Thew/EFE
Shawn Thew/EFE

Ebola entra na pauta de encontro anual do FMI

Participantes receberam folhetos com informações sobre formas de transmissão e termômetros descartáveis para monitorar temperatura

Cláudia Trevisan, Correspondente de O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2014 | 15h01

WASHINGTON - Com o vírus do Ebola ameaçando transpor as fronteiras da África Ocidental, participantes do encontro anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) receberam informações sobre formas de transmissão da doença e têm à disposição termômetros descartáveis para monitorar sua temperatura. A reunião tem participação de representantes dos 188 países que integram a organização, entre os quais dos três que estão no centro da epidemia: Libéria, Guiné e Serra Leoa.

"Indivíduos infectados ficam visivelmente doentes e não se espera que sejam capazes de participar dos encontros anuais", diz o folheto distribuído nos locais de credenciamento para o encontro. O texto ressalta que o risco de transmissão é "extremamente baixo" e só ocorre quando há contato direto com fluidos corporais de uma pessoa que manifeste os sintomas da doença. "A infecção não se espalha por ar, água ou mosquitos." 

De acordo com o folheto, não houve relato de nenhum caso de transmissão depois da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em razão de encontros com pessoas de países que estão no centro da epidemia. A reunião da ONU ocorreu no mês passado em Nova York, mas ainda não se passaram 21 dias desde seu encerramento, período máximo de incubação do vírus.

O FMI recomenda que os participantes de seu encontro vindos dos países que estão no centro da epidemia monitorem a sua temperatura. Durante o encontro, haverá uma linha telefônica 24 horas por dia para dar informações e assistência médica aos participantes. Na quinta-feira, haverá um painel sobre Ebola com participação de Libéria, Guiné e Serra Leoa. 

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
Ebola FMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.