Ebola faz Filipinas suspender exportação de carne suína

Cepa do vírus foi detectada em porcos de uma fazenda ao norte da capital filipina

Efe,

11 de dezembro de 2008 | 04h20

As autoridades sanitárias das Filipinas suspenderam temporariamente a exportação de carne suína após detectar um foco do vírus ebola-reston, que não afeta humanos, em três fazendas no norte do país, informaram nesta quinta-feira, 11, o Ministério da Agricultura local. As fazendas afetadas foram colocadas em quarentena e todos os trabalhadores expostos ao vírus passaram por exames médicos, que deram negativo. O Governo não retomará as exportações suínas até que conheça o alcance da praga. A cepa do vírus foi detectada em porcos de uma fazenda ao norte da capital filipina, segundo declaração do Secretário de Agricultura do país, Arthur Yap. Segundo o comunicado, apenas os animais da propriedade até o momento. Foi o primeiro caso de contaminação de suínos pelo Ebola. O governo filipino comunicou a Organização Mundial de Saúde (agência da ONU), que providenciará novos testes, segundo Yap. Ele disse ainda que "não há evidências de que o Ebola-Reston possa contaminar organismos humanos". Por precaução, o secretário disse que a população só deve comprar carne suína em mercados que atuem dentro das normas sanitárias do país. A cepa Reston do ebola foi descoberta em 1989 na cidade americana de mesmo nome, em um grupo de 100 macacos que tinham sido importados das Filipinas.

Tudo o que sabemos sobre:
carne suínaebolaFilipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.