Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Ebola: ‘O medo vem quando você não conhece’

Paulo Sergio Leal Reis, da ONG Médicos sem Fronteiras, esteve na Guiné e em Serra Leoa; na próxima semana, volta para a África

Entrevista com

Paulo Sergio Leal Reis

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

08 Novembro 2014 | 03h00

Desde 2005, o médico generalista Paulo Sergio Leal Reis, de 42 anos, atua na organização Médicos sem Fronteiras. Em 2012, viajou para Uganda e teve a primeira experiência com infectados pelo vírus Ebola. Reis esteve, na atual epidemia da doença, que já infectou mais de 13 mil pessoas, na Guiné e em Serra Leoa. Na próxima semana, viaja novamente para Guiné em missão contra o Ebola. 


Por que decidiu trabalhar no Médicos sem Fronteiras?

Sempre tive vontade de ser médico, tinha obrigação de deixar alguma coisa, de algo que me desse autonomia e de prestar algum serviço. Vi uma reportagem, antes da faculdade, sobre o Médicos sem Fronteiras e pensei: é exatamente o que eu quero fazer! É diferente de um trabalho em consultório. Apesar de alguns locais serem mais complicados, tem uma segurança muito grande, dá para trabalhar numa boa e você se sente bem.

Qual a diferença entre a sua primeira experiência com o Ebola e a atual epidemia?

Uma delas é que esses países, Serra Leoa, Guiné e Libéria, nunca conheceram a doença. No nosso trabalho, é difícil convencer até que a doença existe e os profissionais de saúde não sabiam como lidar. Uganda tinha experiência, já tinha até o testemunho de pessoas curadas. Além disso, a doença se espalhou muito rápido, as pessoas viajam muito nessas localidades.

Qual foi o momento mais emocionante que o senhor viveu realizando esse trabalho?

Foi o de uma bebê de 1 ano e 9 meses com Ebola que sobreviveu. Ela perdeu pais e avós. Outras duas meninas também estavam contaminadas e as três se curaram. Foi em Serra Leoa, em julho deste ano.

Como o senhor lida com o medo no seu trabalho?

O medo vem quando você não conhece. Uma vez que você conhece o trabalho e o meio de como se precaver, não existe o medo. Atualmente, as pessoas que vão trabalhar ficam mais preocupadas com a reação das pessoas, porque tem gente que não quer que visite, não quer apertar a mão.

O que costuma fazer ao voltar de uma missão?

A primeira coisa que sempre faço é ver a família. Depois, tomar uma cervejinha com meus amigos.

Mais conteúdo sobre:
Ebola Médicos sem Fronteiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.