E.coli aparece na França; cinco crianças são hospitalizadas

As autoridades disseram que a bactéria não parece estar relacionada à cepa letal da Alemanha

REUTERS

16 Junho 2011 | 13h21

Cinco crianças hospitalizadas no norte da França depois de comerem hambúrgueres de carne bovina contaminados com uma cepa da bactéria E.coli estão gravemente doentes, disseram autoridades de saúde na quinta-feira, intensificando os receios de um surto mais amplo.

As autoridades disseram que a bactéria não parece estar relacionada à cepa letal de E.coli que já matou 37 pessoas e deixou 3.000 doentes, em sua maioria no norte da Alemanha.

A rede particular de supermercados populares Lidl tirou de suas prateleiras caixas de hambúrgueres congelados que se acredita serem as responsáveis pelas contaminações na França. As caixas foram vendidas sob a marca "Steaks Country" e tinham datas de vencimento de 10, 11 e 12 de maio.

Na quarta-feira, seis crianças de diferentes cidades na região de Pas de Calais, com idades de entre 20 meses e 8 anos, foram levadas a um hospital na cidade de Lille, com diarreia hemorrágica.

Uma das crianças teve alta, mas cinco estão "em condição grave" e ainda estão sendo tratadas no hospital. Três delas estão recebendo hemodiálise, um método de remoção de toxinas do sangue utilizado em casos de falência renal.

Embora o surto tenha ocorrido na esteira dos casos de E.coli relacionados a brotos de feijão contaminados que mataram 36 pessoas na Alemanha e uma na Suécia, as autoridades de saúde disseram que os casos na França não têm ligação aparente com os da Alemanha.

"Espero que possamos iniciar um programa de investigação muito rapidamente. Já estamos trabalhando sobre isso com pesquisadores franceses, para identificar a origem e lidar rapidamente com os problemas de saúde", disse na rádio RTL o ministro da Saúde francês, Xavier Bertrand.

Ele disse que toda a cadeia de produção dos hambúrgueres terá que ser analisada e que será preciso implementar controles mais rígidos.

Um porta-voz da Lidl disse que a carne bovina usada nas caixas suspeitas foi comprada da fornecedora francesa SEB-CERF, sediada na cidade de Saint-Dizier, nordeste do país e que produz cerca de 400 toneladas semanais de carne congelada.

"Os produtos foram feitos na França, mas, dependendo da data de vencimento e das oportunidades que se apresentam a nossos fornecedores, a carne pode vir da Alemanha, Itália, França, Holanda ou até mesmo outros lugares", disse à Reuters um porta-voz da Lidl, Jerome Gresland.

"Compramos a carne através deste fornecedor com um selo dizendo que vem da União Europeia."

Uma caixa de hambúrgueres suspeitos, encontrada na casa de uma das crianças que adoeceu, dizia conter carne vinda da Alemanha, disse à Reuters o executivo-chefe da SEB-CERF.

Mas ele disse que a embalagem não é o suficiente para determinar a origem da contaminação com qualquer grau de certeza, porque muitas outras caixas de produto suspeito continham carne produzida em outras partes da Europa.

As autoridades de saúde francesas ordenaram que a Lidl retire de suas prateleiras as caixas de hambúrguer "Steaks Country" com várias datas de validade, depois de encontrar uma caixa com validade até 10 de maio na casa de uma das crianças contaminadas.

A rede de supermercados tirou de circulação toda sua linha de hambúrgueres congelados.

(Reportagem de Pierre Savary, Thierry Leveque e Nick Vinocur)

Mais conteúdo sobre:
FRANCAECOLICRIANCAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.