Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
LUIZ CLAUDIO BARBOSA/FUTURA PRESS
LUIZ CLAUDIO BARBOSA/FUTURA PRESS

Einstein testa remédio para artrite para evitar tempestade inflamatória em pacientes com covid

Medicamento tem a capacidade de modular sistema imunológico; resultados devem ser divulgados até março

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2020 | 09h00

Grave complicação que pode ocorrer em pacientes com a covid-19, a tempestade de citocinas, reação exacerbada do sistema imunológico que pode afetar o funcionamento de órgãos vitais, é um dos eventos que agrava o estado do paciente, sendo capaz de levá-lo à morte. Para tentar evitar esse quadro de tempestade inflamatória, pesquisadores do Hospital Israelita Albert Einstein estão realizando um estudo em pacientes leves a moderados que estão internados com um medicamento para artrite reumatoide que tem a capacidade de modular o sistema imunológico.

"É um imunomodulador para evitar a tempestade de citocinas. Ele inibe uma das vias mais importantes da imunomodulação que são conhecidas nas doenças, como a jak", afirma Otávio Berwanger, diretor da Academic Research Organization (ARO) do Einstein.

Eles vão analisar a evolução de 289 pacientes internados com sintomas como febre e pneumonia, mas que não necessitam de ventilação mecânica nem internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). "Algumas dessas pessoas pioram, evoluem para precisar de suporte intensivo e desenvolvem a tempestade de citocinas, uma resposta inflamatória muito intensa que começa a causar dano em muitos órgãos. Causa insuficiência respiratória, dano grave no pulmão, no coração, rins, falência múltipla dos órgãos. A gente quer pegar isso antes", explica Berwanger.

O medicamento utilizado é o Tofacitinibe, vendido pelo nome comercial Xeljanz, da farmacêutica Pfizer. "Resolvemos usar alguma medicação mais sofisticada para modular o sistema imunológico e evitar a exacerbação. É uma droga que teve muito sucesso em artrite reumatoide e colite ulcerativa, já tem eficácia comprovada e tem a vantagem de ser uma droga via oral, que pode ser controlada."

Embora seja uma medicação conhecida, Berwanger alerta que, mesmo que os resultados contra a tempestade de citocinas se comprovem, o medicamento não deve ser tomado em casa. "É um medicamento para ambiente hospitalar, onde a pessoa pode ser monitorada. Ela não é indicada para covid-19 e, se aprovada, será necessário prescrição médica, porque tem contra-indicações."

O estudo, que será duplo cego e controlado por placebo, está sendo feito em 24 centros em todo o País e com pacientes acima de 18 anos. Ele teve início em outubro e os últimos pacientes foram incluídos este mês. "É um estudo que a gente está motivado e tem muita esperança. Se a gente conseguir provar que consegue, vamos reduzir a mortalidade e a necessidade de suporte de oxigênio mais intenso para tratar as pessoas e fazer com que elas saiam bem e sem sequelas." Os pacientes serão acompanhados por 30 dias após a inclusão no estudo e os resultados devem ser publicados entre fevereiro e março.

O estudo Stop Covid é uma colaboração entre ARO Einstein e Pfizer, e inclui a participação da Coalizão Covid-19 Brasil, que, além do Einstein, reúne HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, o Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.