Cecília Bastos/Jornal da USP
Cecília Bastos/Jornal da USP

‘Eles estão nos tirando a última esperança’, diz paciente sobre STF

Pessoas que usam a pílula reagiram com indignação e tristeza; doentes em estágios mais graves alegam não poder esperar

Fabiana Cambricoli e José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2016 | 03h00

SÃO PAULO - Com o marido de 57 anos internado em um hospital, após apresentar um edema cerebral decorrente de um tumor cancerígeno, a servidora pública Marcia Gutierrez, de Sorocaba, reagiu à decisão dos ministros do STF com indignação e tristeza. “Eles estão nos tirando a última esperança. Lutamos contra o câncer desde 2005 e ele já enfrentou tudo o que é tratamento: quimioterapia, radioterapia, só faltava a ‘fosfo’. Agora, o que nos resta?”

Marcia decidiu tentar a utilização da “pílula do câncer” no ano passado, dez anos após o marido ser diagnosticado com câncer no pulmão. Ela conseguiu uma liminar em outubro. “Foi o tempo de a juíza autorizar e o governador entrar com uma ação na Fazenda Pública de São Carlos pedindo a suspensão das entregas.” Em fevereiro, ela voltou a conseguir uma liminar, mas de novo não obteve as cápsulas, pois o laboratório da USP em São Carlos foi fechado.

Para a advogada Marisa Acete, de 48 anos, filha de um paciente com câncer que toma a pílula há três, a decisão prejudica os doentes em estágio mais grave, que não podem esperar pela conclusão dos testes clínicos da fosfoetanolamina. “As pessoas estão morrendo no meio do caminho. Não dá para esperar”, reclama.

O assessor parlamentar Abrão Dib, que lidera um grupo de defensores da fosfoetanolamina sintética em redes sociais, disse que a decisão pode incentivar o mercado clandestino. “Nosso receio é de aparecer a fosfoetanolamina falsa.”

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Sorocaba STF Marcia USP São Carlos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.