Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Em abril o sistema de saúde entrará em colapso’, diz Mandetta

Ministro da Saúde diz que estuda interrupção de transportes para evitar cenário em que número de leitos seja insuficiente

Felipe Frazão, Marlla Sabino e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 15h50
Atualizado 03 de abril de 2020 | 16h24

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira, 20, que até o final de abril o sistema de saúde brasileiro vai entrar em colapso pela epidemia do novo coronavírus. "Claramente, em final de abril nosso sistema de saúde entra em colapso", afirmou, ao lado do presidente Jair Bolsonaro. "O que é um colapso? Você pode ter o dinheiro, o plano de saúde, mas simplesmente não há sistema para você entrar", explicou.

Mandetta e Bolsonaro participaram de videoconferência com empresários sobre medidas de enfrentamento ao novo coronavírus.

O ministro disse que pretende atuar para tentar evitar esse provável cenário. "A gente está modelando para ver se trabalhamos com algumas interrupções, segurando o máximo dos idosos que são quem leva ao colapso do sistema", afirmou. 

Mandetta disse que o padrão de transmissão do vírus é "muito competente". "São Paulo está fazendo o início do seu redemoinho [de transmissão]. A gente imagina que ela vai pegar velocidade e subir nas próximas semanas, 10 dias. A gente deve entrar em abril e iniciar a subida rápida, isso vai durar os meses de abril, maio, junho, quando ela vai começar a ter uma tendência de desaceleração. O mês de julho deve começar o platô. Em agosto o platô vai começar a mostrar tendência de queda e aí a queda em setembro é profunda, tal qual a de março na China", afirmou o ministro, durante a videoconferência.

Em entrevista coletiva concedida após a videoconferência com os empresários, Mandetta foi questionado por jornalistas sobre o que significa o colapso do sistema e diminuiu o tom. "Temos muitas forças. Se nós não fizéssemos nada, se não aumentássemos a nossa capacidade instalada, se ficássemos parados, olhando, nós teríamos um megaproblema. Porque esse sistema do jeito que ele vem, sem fazer nada… O nosso sistema ainda aguentaria, mesmo com a capacidade instalada normal, por volta de 30 dias", afirmou.

O ministro disse que o governo está trabalhando duro para ampliar leitos e centros de tratamento intensivo em diversas cidades. “A Itália não teve tempo de fazer, mas estamos ampliando semana a semana. O sistema pode inflar, crescer, temos espaço, mas precisamos garantir equipamentos, luvas”, disse.

O ministro ressaltou ainda que a Itália, um país de primeiro mundo e que tem um sistema de saúde mais organizado que o brasileiro, suportou a pandemia por um tempo muito baixo devido à grande quantidade de idosos no país.

Nesse sentido, o ministro manifestou preocupação com o Estado do Rio Grande do Sul, que também tem alto índice de população idosa, enquanto no Amazonas a população é mais jovem e também tem menos casos. “Somos um continente”, disse, ressaltando que as medidas devem ser coordenadas em todo o País.

"Não é colapso definido que vai ser o colapso. É um quadro que nós temos de saber como enfrentar, onde enfrentar. Adianta abrir leito de CTI em locais que não têm nem casode transmissão?  Será que teremos uma epidemia em paralelo em todos os Estados? Será que as medidas nos Estados, nas cidades menores, será que as cidades menores não podem ser o grande refúgio dos idosos? Tudo isso está no nosso cenário".

Cloroquina

O ministro também afirmou que o país “já validou” e está fornecendo a cloroquina, medicamento que mostrou resultados promissores em testes para tratamento contra a covid-19, para pacientes mais graves.

“Já validamos, temos capacidade de produção, já estamos produzindo e está na prateleira dos pacientes graves”, disse.

O medicamento é registrado no Brasil para tratamento de artrite, lúpus e malária. Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que, apesar dos resultados dos testes em relação a nova doença, “não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento”.

Mandetta explicou ainda que 700 mil médicos devem ser convocados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) pediu que os 2 mil médicos voluntários se apresentem ao aos conselhos regionais para serem convocados. “Estamos em todos os Estados com crescimento igual (do coronavírus) e isso nos preocupa, porque podemos ter uma epidemia em paralelo.”

Com o crescimento de casos de novo coronavírus no Brasil, o governo federal tem discutido os cenários para enfrentar a epidemia com a indústria de produtos para saúde. Na projeção mais pessimista, com quadro similar ao que ocorre na Itália, a ideia é instalar até 20 mil novos leitos para atender pacientes do vírus. O número foi apresentado em reuniões recentes do Ministério da Saúde e do gabinete de crise instalado no Planalto.

O governo e o setor de saúde têm tentado encontrar soluções para montar estas estruturas. Até agora, o governo só anunciou a contratação de equipamentos para montar 2 mil leitos. Os Estados também têm aberto espaços por conta própria. Nesta sexta-feira, 20, o ministério publicou portaria para custear -- diária de R$ 800 -- 2.540 leitos, que são a soma do previsto até aqui pelo governo Bolsonaro e o já instalado pelos governadores.

Os leitos de UTI funcionam com cama, monitor multiparamétrico (para medir sinais vitais), bomba de infusão, oxímetro de pulso e respirador, entre outros produtos. Para chegar ao número máximo de leitos, o governo já avalia usar hospitais de campanha e até requisitar espaços da rede privada.

Mais recursos 

O presidente Jair Bolsonaro anunciou a liberação imediata de R$ 8 bilhões em emendas parlamentares individuais e de bancada para a área da saúde. A decisão foi tomada em meio à pandemia do novo coronavírus.

"Em comum acordo, os parlamentares abriram mão de R$ 8 bilhões [de emendas] individuais e de bancada. Recurso esse que vai diretamente para o Ministério da Saúde, para que dessa forma medidas sejam tomadas no combate ao vírus", disse o presidente.

Líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) explicou que os recursos que seriam liberados ao longo do ano serão liberados de uma vez só.

"Ele iria liberar até o fim do ano. A crise é agora. Não adianta ter uma liberação de uma emenda no final do ano para a saúde para comprar um respirador. Você precisa de um respirador agora. O movimento é esse", exemplificou Gomes.

"Os recursos serão priorizados e liberados agora. São recursos de emendas individuais e de bancada", emendou.

Durante o anúncio, Bolsonaro afirmou que os parlamentares estavam, em comum acordo, "abrindo mão" de suas emendas. Mas um deputado aliado explicou que não se trata de abrir mão de emendas, mas de uma antecipação do pagamento de emendas cujos beneficiários, da área da saúde, já foram indicados pelos parlamentares.

Em sua fala, o presidente defendeu que a "economia não pode parar" e voltou a ver exagero em medidas de restrição de circulação de pessoas adotadas por governadores.

"O Brasil precisa continuar se movimentando, mexendo com a sua economia, senão a catástrofe se aproximará de verdade", afirmou.

Bolsonaro lembrou que fechamento de aeroportos, como o anunciado pelo governador fluminense Wilson Witzel, é uma prerrogativa do governo federal.

"Estamos acertando para que um Estado não aja diferente dos outros e que não bote em colapso o setor produtivo. Não adianta produzir em um lugar e você não ter onde entregar no outro", disse o presidente.

Economia

Bolsonaro lembrou que o Brasil tem mais de 11 milhões de desempregados e que esse contingente de pessoas sem trabalho aumentará. "Esse número vai crescer, mas se crescer muito, outros problemas colaterais surgirão. E, com toda a certeza, o mal que pode ocasionar esse congestionamento, pode ser até maior do que do vírus", disse.

O ministro da Saúde também destacou a necessidade de avaliar os impactos das medidas de restrição de circulação na economia. Ele defendeu que decisões sobre fechamento de aeroportos ou rodovias sejam tomadas pelo governo federal, de forma "centralizada".

Segundo o ministro, uma reunião ainda nesta sexta dará uma posição a Bolsonaro sobre a possibilidade de decidir centralizar as decisões sobre linhas de transportes.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Paulo Skaf, que participou por vídeo da reunião, afirmou que o Brasil enfrenta duas crises, uma de saúde e outra econômica, e defendeu que a crise de saúde é a prioridade do momento. 

Por videoconferência também participaram Abílio Diniz, presidente do Conselho da Administração da Península Participações;  Candido Pinheiro, presidente do Conselho de Administração da Hapvida, Carlos Sanchez, presidente do EMS e Presidente do Conselho de Administração do Grupo NC; Carlos Zarlenga, presidente da GM da América do Sul; Christian Gebara, Presidente e presidente da Vivo; David Feffer, presidente do Conselho de Administração da Suzano S.A; Edson Queiroz Neto, presidente Grupo Edson Queiroz; Elie Horn, fundador e presidente do Conselho de Administração da Cyrela; Eugênio De Zagottis, vice-presidente do grupo Raia Drogasil e presidente da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drograrias (Abrafarma); Flávio Rocha, presidente das Lojas Riachuelo S.A; Jean Jereissati Neto, presidente da AMBEV; Jerome Cadier, presidente da Latam Airlines Brasil; Juliana Azevedo, presidente da Procter & Gamble Brasil; Lourival Nogueira Luz Junior, presidente da BRF; Luiz Carlos Trabuco, presidente do Conselho de Administração do Bradesco; Marcelo Melchior, presidente da Nestlé; Martus Tavares, vice-presidente de Assuntos Corporativos da Bunge Brasil; Patrick Mendes, presidente do Grupo ACCOR; Paulo Moll, diretor da Rede D’Or; Rubens Ometto, presidente do Conselho de Administração da Cosan; e Thierry Fournier, delegado eral da Sain Gobain no Brasil, Argentina e Chile.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.