Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Em carta, Bolsonaro pede à Índia urgência para antecipar vacina de Oxford 

Imunizante, uma das principais apostas do governo brasileiro, é produzida por laboratório indiano

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2021 | 21h31

O presidente Jair Bolsonaro enviou ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, uma carta pedindo a antecipação “com urgência” do fornecimento de dois milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus

A vacina, uma das principais apostas do governo brasileiro, é produzida pelo laboratório indiano Serum Institute, mas foi desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca. Caso o pedido seja atendido, Bolsonaro espera dar início à vacinação ainda em janeiro, conforme anunciou ontem, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Desde o início da semana, Bolsonaro já cogitava pedir ajuda ao governo indiano para que não houvesse empecilhos ou demora na venda das vacinas ao Brasil. O Planalto corre contra o tempo e quer evitar deixar o protagonismo da imunização nas mãos do seu principal inimigo político, no momento, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Na carta, enviada nesta sexta-feira, 8, o presidente Bolsonaro, ressalta que, para “possibilitar a imediata implementação do nosso Programa Nacional de Imunização, muito apreciaria poder contar com os bons ofícios de Vossa Excelência para antecipar o fornecimento ao Brasil, com a possível urgência e sem prejudicar o programa indiano de vacinação, de 2 milhões de doses do imunizante produzido pelo Serum Institute of India". 

Lembra ainda que entre as vacinas selecionadas pelo governo brasileiro para imunizar sua população “encontram-se aquelas da empresa indiana Bharat Biotech International Limited (COVAXIN) e da AstraZeneca junto à Universidade de Oxford (COVISHIELD), também produzida pelo Serum Institute of India".

 Mais adiante, Bolsonaro aproveita para reiterar os agradecimentos pela liberação das exportações dos insumos farmacêuticos produzidos na Índia, de extrema relevância para o abastecimento de nosso mercado e para a saúde do povo brasileiro”.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonarocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.