Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Em duas semanas, número de casos de dengue mais que dobra em São Paulo

Balanço divulgado na sexta-feira indica 12.834 casos em que as pessoas se contaminaram no Estado; em 31 de janeiro eram 4.595

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2019 | 17h56

SOROCABA – O número de casos de dengue confirmados mais do que dobrou no Estado de São Paulo nas duas últimas semanas, em relação a todo mês de janeiro. Boletim divulgado nesta sexta-feira, 15, pela Secretaria de Estado da Saúde confirma 12.834 casos autóctones, em que os pacientes se contaminaram no próprio Estado. No dia 31 de janeiro, o Estado somava 4.595 casos confirmados.

O aumento expressivo decorre da expansão da doença nas regiões norte e noroeste do Estado, que já vivem situação de epidemia de dengue. O número também cresceu porque muitos casos notificados em janeiro só foram confirmados este mês.

Com 875 novos casos confirmados pela Secretaria Municipal de Saúde, o município de Bauru, no interior de São Paulo, passou a liderar o ranking da dengue no Estado. Em situação de emergência, em razão da epidemia, a cidade totaliza 2.423 casos autóctones. Bauru passou à frente de Andradina, que totaliza 2.083 casos, segundo a prefeitura. A cidade de Franca, com 2.016 casos, aparece em terceiro lugar, seguida por São José do Rio Preto, com 1.252, conforme os números mais atuais.

Entre os municípios de menor porte, a maior concentração de dengue está em São Joaquim da Barra, com 460 casos confirmados, seguida por Ipuã, com 396. As cidades de Palestina (331 casos), Pereira Barreto (238) e Castilho (219) também estão com níveis elevados de incidência.

Pelo menos 12 mortes suspeitas de terem sido causadas pelo vírus da dengue estão em investigação no Estado. Nas regiões norte e noroeste, há grande circulação do vírus do sorotipo 2, que produz sintomas mais graves, quando são infectadas pessoas que já tiveram dengue de outro tipo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.