Celio Messias/ Estadão
Celio Messias/ Estadão

Em lockdown, cidade de Araraquara vê sistema de saúde colapsar

Cidade no centro do Estado de SP amanheceu com 100% dos leitos ocupados e 16 pacientes na fila; Estado anunciou R$ 1,5 milhão de repasse

Everton Sylvestre, Especial para o Estadão

17 de fevereiro de 2021 | 05h00

ARARAQUARA - Araraquara, município no centro do Estado de São Paulo com 238 mil habitantes, viu nesta terça-feira, 16, seu sistema de saúde colapsar, um dia após a cidade ter decretado lockdown. Segundo a prefeitura, 100% dos leitos para covid-19 em UTI e enfermaria estavam ocupados e 16 pacientes com necessidade de oxigênio aguardavam pela manhã uma vaga de internação. 

No início da tarde, os secretários estaduais de Saúde, Jean Gorinchteyn, e de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, estiveram no hospital de campanha com o prefeito Edinho Silva (PT) e anunciaram que o Estado abrirá 70 leitos para covid-19 na cidade, com um investimento de R$ 1,5 milhão. “Araraquara é uma das cidades que mais preocupa no Estado de São Paulo”, disse Gorinchteyn.

Antes, os secretários estiveram em Jaú, outra cidade da região central de São Paulo que registrou a variante de Manaus em pacientes e confirmou nesta terça-feira seis mortes. Jaú receberá R$ 7 milhões do Estado, para montagem também de um hospital de campanha.

Araraquara tem 212 pacientes internados, 63 deles em UTI. Há um total de 973 pessoas em quarentena. O número de mortes por covid-19 confirmadas nos primeiros 15 dias de fevereiro equivale a um terço do óbitos registrados pela doença em 2020. Com mais cinco mortes confirmadas nesta terça-feira, a cidade - que chegou a ter a menor taxa de mortalidade em 2020 - passou a 153 óbitos, 37 deles confirmados em fevereiro.

Dos 16 pacientes que aguardavam atendimento pela manhã, a prefeitura informou que 11 conseguiram vaga de internação na cidade, um foi transferido para Matão, município vizinho, e os outros quatro ficaram aguardando na UPA Vila Xavier. “O único mecanismo que a gente tem neste momento, já que não há vacina para todos, é distanciamento social”, disse ao Estadão a secretária de Saúde de Araraquara, Eliana Honain.

Bahia

Nesta terça-feira, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou, em entrevista à TV Bahia, que estuda adotar toque de recolher no Estado. “Vamos, sim, adotar medidas restritivas para outras atividades e até analiso a possibilidade, se mantiver ao longo dessa semana essas mesmas taxas, de implementarmos o toque de recolher em todo o Estado da Bahia para evitar o pior.”

Perto dos 100%

Outra cidade que enfrenta dificuldades no atendimento a pacientes com covid-19 é Goiânia (GO). Com alta de contaminados e mortos, o município teve nesta terça-feira 100% dos leitos ocupados no Hospital de Campanha de Goiânia e 90% da rede como um todo. Em Goiás já passam de 8 mil os mortos por covid-19 desde 26 de março. Até agosto eram 3 mil. Em cinco meses e meio, o número mais que dobrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.