Gabriela Biló/Estadão - 18/08/18
Gabriela Biló/Estadão - 18/08/18

Em meio à pandemia, cobertura vacinal contra infecções como tuberculose e sarampo volta aos anos 80

Imunização infantil contra infecções como tuberculose e sarampo, que já vinha em queda, despencou ainda mais durante a pandemia

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2021 | 21h34

Apesar de menos atingidas pela covid-19, as crianças ficaram mais suscetíveis a outras doenças que podem ser evitadas com vacinas disponíveis há décadas no Brasil. A cobertura de vacinação contra infecções como tuberculose e sarampo, que já vinha em queda, despencou ainda mais durante a pandemia. As taxas voltaram aos níveis da década de 1980 e especialistas alertam para o risco de ressurgimento de doenças graves.

Dados sobre a cobertura vacinal no Brasil foram apresentados nesta quinta-feira pela assessora técnica da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde Antônia Teixeira, durante evento realizado pela Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim). Fake news e até o desconhecimento sobre as vacinas pelos profissionais da saúde são apontados como causas da queda na cobertura. A pandemia travou ainda mais a vacinação.

Entre o início da década de 1980 e o fim dos anos 1990, houve tendência de aumento na cobertura vacinal no Brasil, com estabilidade em patamares elevados nos anos 2000. A partir de 2015, verificou-se a redução na cobertura. “Observamos uma queda progressiva e bem acentuada, onde o último período, de 2019 a 2021, retorna aos níveis de cobertura vacinal do primeiro período, de 1980 a 1982”, afirmou Antônia.

Em relação ao ano de 2019, houve redução na cobertura de todas as vacinas no ano passado, com exceção da pentavalente (contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenza tipo b). Para a poliomielite, doença grave que causa paralisia, por exemplo, a cobertura chegava a 98% em 2015, mas caiu para 76% em 2020. Em relação a 2019, a redução foi de oito pontos porcentuais, conforme dados do Ministério da Saúde.

Também houve queda na cobertura da hepatite B. A taxa chegava a 79% em 2019 e, no ano passado, ficou em 63,4%. A aplicação da vacina BCG, contra a tuberculose, alcançava 3 milhões de doses em 2015 enquanto que no ano passado foram aplicadas apenas 2,1 milhões. Os dados estão sujeitos a alterações, mas evidenciam a necessidade de traçar estratégias para alcançar as crianças.

No ano passado, a porcentagem de municípios com cobertura adequada em crianças menores de um ano de idade ficou abaixo de 50% para sete vacinas. Só 38% dos municípios têm vacinação adequada contra a pólio, por exemplo – menor porcentual pelo menos desde 2015. É considerado adequado o porcentual acima de 90% para rotavírus e BCG e superior a 95% para os demais imunizantes.

O desafio é maior na Região Norte. A segunda dose da tríplice viral, por exemplo, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, alcançou menos de 50% de cobertura em todos os Estados do Norte neste ano. O resultado da taxa baixa é o reaparecimento do sarampo, que já era considerado erradicado.

Em 2019, foram 20,9 mil casos confirmados de sarampo. Neste ano, há casos nos Estados de Pará, Amapá, Ceará, Rio, São Paulo e Alagoas. Durante a pandemia, houve queda na incidência do sarampo e de outras doenças de transmissão respiratória – apesar da redução na cobertura pelas vacinas –, o que tem relação com isolamento social e uso de máscaras.

Pesquisadores temem, porém, que as doenças voltem a aparecer com o retorno das interações sociais e a baixa vacinação. “Estamos brincando com o fogo”, disse o professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará Robério Dias Leite, durante o evento da Sbim.

Atuação

Segundo especialistas, a queda nas coberturas não foi causada pela pandemia, mas agravada por ela. Entre os fatores estão o medo de buscar a vacina e contrair a covid, além da desarticulação da atenção nos postos. Nas fases mais agudas da pandemia, até Unidades Básicas de Saúde foram usadas para atender pacientes.

O reaparecimento dessas doenças se torna um problema ainda maior uma vez que parte dos profissionais de saúde não está capacitada para tratar essas infecções – porque nunca viu casos do tipo. Também não é pequeno o número de médicos que não prescrevem as vacinas – o que demanda melhoria na formação. “Infelizmente o que temos observado é que não só os políticos são anticiência. Nossos colegas também. Temos de ser o exemplo e tentar convencê-los”, disse Juarez Cunha, presidente da Sbim.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que, mesmo na pandemia, a imunização é mantida e a orientação é para que a população procure os postos. A pasta orienta, ainda, que gestores municipais façam parcerias locais para descentralizar o máximo possível a vacinação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.