Douglas Magno/ AFP
Douglas Magno/ AFP

Em novo recorde, Brasil registra 141 mortes e 1.930 casos de coronavírus em 24 horas

Número total de casos oficialmente confirmados subiu de 15.927 para 17.857 casos, um aumento de 12% em apenas 24 horas

André Borges e Vinicius Valfré, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2020 | 17h14

BRASÍLIA - Pelo terceiro dia consecutivo, o Brasil registrou novo recorde de mortes decorrentes do novo coronavírus em um único dia, nesta quinta-feira, 9. De ontem para hoje, foram 141 óbitos. No total, são pelos menos 941 vítimas da doença no País. 

O número total de casos oficialmente confirmados subiu de 15.927 para 17.857 casos, um aumento de 12% em apenas 24 horas. Há pessoas infectadas em todos os estados brasileiros. Só Tocantins não registrou morte por covid-19 até este momento.

Os Estados com maior número de casos são: São Paulo (7.480 e 496 mortos), Rio de Janeiro (2.216 e 122 mortos), Ceará (1.425 e 55 mortos), Amazonas (899 casos e 40 mortos), e Minas Gerais (655 casos e 15 mortos).

A taxa de letalidade subiu mais uma vez e agora chega a 5,3%, ou seja, de cada 100 casos de contaminação confirmados, cinco pessoas morreram.

O Brasil registrou na terça-feira, 7, pela primeira vez desde o início da pandemia, mais de cem mortes pela covid-19 em um dia. A tendência, segundo o Ministério da Saúde, é que esses recordes sejam superados dia após dia, com a escalada das contaminações pelo País esperada para as próximas semanas.

Testes

O aumento dos casos depende diretamente da capacidade de testes do governo, algo que tem enfrentado problemas críticos para ser executado. Os testes em massa da população permitem que setor de saúde do País, público e privado, se planejem e organizem minimamente uma estrutura capaz de atender os pacientes com suprimentos, estrutura de leitos e apoio médico.

A avaliação técnica do Ministério da Saúde continua a mostrar que o Brasil não está com nenhuma condição adequada neste momento, envolvendo insumos médicos, estrutura hospitalar e capacidade de atendimento.

O planejamento do Ministério da Saúde conta com 22,9 milhões de testes, adquiridos ou doados, incluindo os testes moleculares, que são mais precisos no resultado, e os testes rápidos (sorológicos). Ocorre que, até agora, só há previsão de entrega para 9,183 milhões. Para as demais 13,7 milhões de unidades, o prazo é uma incógnita.

O boletim da covid-19 desta quinta-feira informa ainda que, desses 9,183 milhões de testes com programação de entrega confirmada, apenas 904.872 unidades já foram entregues, sendo 500 mil unidades do teste rápido e 404.872 unidades do teste molecular, também conhecido pela sigla RT-PCR. A remessa integral só deve ser concluída no fim de julho.

Na prática, o ministério recebeu apenas 9,9% desta parcela de testes com entrega programada. Em abril, a previsão é de que mais 525 mil testes moleculares serão entregues. Três remessas de 1 milhão de testes cada estão programadas para maio, junho e julho.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.