Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS
Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS

Em novo recorde, Brasil registra 600 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

São 6.935 casos da doença registrados de ontem para hoje no País, informações são do Ministério da Saúde

André Borges e Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2020 | 19h07

BRASÍLIA e SÃO PAULO - O Brasil registrou 600 mortes decorrentes do novo coronavírus nas últimas 24 horas. Trata-se do maior número de mortes por covid-19 registrado em um único dia desde o primeiro óbito pela doença no País. Com isso, o total oficial de vítimas do novo coronavírus no Brasil subiu de 7.321 para 7.921. As informações são de atualização feita pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira, 5. 

De acordo com os dados disponíveis, o número total de casos confirmados da covid-19 subiu de 107.780 para 114.715 , um acréscimo de 6.935 casos entre segunda-feira, 4, e hoje. 

O secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, afirmou que o número de mortes, apesar de recorde, traz dados de óbitos ocorridos em dias anteriores, mas que estavam sendo investigados para ter a confirmação ou não de que se tratava de covid-19. É fato, porém, que isso tem ocorrido desde o início da pandemia. Portanto, o dado divulgado diz respeito ao recorde de registros oficialmente comunicados pelo Ministério da Saúde a cada dia.

São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco e Amazonas continuam a ser os cinco Estados mais impactados pela covid-19 em todo o País. Em março, o Ministério da Saúde afirma que o pico das transmissões e mortes pelo coronavírus se concentraria entre o fim de abril e início de maio, ou seja, estes locais já estariam vivendo essa situação, conforme previsto um mês atrás. 

As dificuldades enfrentadas pelo governo para fazer um teste em massa da população, ainda que concentrado em determinadas capitais, impedem que se tenha uma avaliação mais detalhada da situação. No mês passado, o próprio Ministério da Saúde havia ponderado que o pico da doença dava sinais de que poderia se estender por maio e entrar em junho. O fato é que a doença avança no Brasil de forma constante, mas não uniforme, conforme o Estado.

Pouco antes da divulgação dos dados, o presidente Jair Bolsonaro chegou a insinuar que o número de mortes e casos  teria caído. "Lamentavelmente, veio o vírus. Todo mundo está sofrendo, o mundo está sofrendo. Nós estamos sofrendo com mortes aqui, mas nós temos que enfrentar isso aí. Eu não sei se hoje caiu o número de mortes, foi menor do que ontem, eu não sei ainda, mas se foi, vai ser o sexto dia, se não me engano, consecutivo de queda no número de mortes. É um sinal de que o pior já passou. Peço a Deus para que isso seja verdade e vamos voltar à normalidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.