Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS
Arte sobre foto de Alissa Eckert, MS; Dan Higgins, MAM/CDC/via REUTERS

Em novo recorde, Brasil registra 881 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

De ontem para hoje, são 9.258 novos registros de casos confirmados da doença, informações são do Ministério da Saúde

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2020 | 19h00
Atualizado 13 de maio de 2020 | 11h01

Em um novo recorde, o Brasil registrou 881 mortes decorrentes do novo coronavírus nas últimas 24 horas e já contabiliza, ao todo, 12.400 vítimas fatais da covid-19, segundo atualização feita pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira, 12. 

O número de casos confirmados da doença no País saltou de 168.331 para 177.589, um acréscimo de 9.258 registros entre ontem e hoje. 

São Paulo é o Estado que apresenta os maiores números, com 3.949 óbitos decorrentes do novo coronavírus e 47.719 casos confirmados da doença. Em seguida, vêm Rio de Janeiro (1.928 óbitos, 18.486 casos), Ceará (1.280 óbitos, 18.412 casos), Pernambuco (1.157 óbitos, 14.309 casos) e Amazonas (1.098 óbitos, 14.168 casos). 

Segundo boletim apresentado nesta terça pelo Ministério da Saúde, mais de metade dos municípios brasileiros (51,4%)  já registraram casos de covid-19, e 995 municípios (17,9%) já tiveram óbitos confirmados pela doença. De acordo com o secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, esses números estão concentrados nas capitais e regiões metropolitanas, mas também já apresentam uma interiorização pelas demais áreas do País. "Mesmo assim, é importante enfatizar que há diferenças regionais", afirmou Macário. 

Com a atualização de hoje sobre os dados da pandemia, o Brasil ultrapassou a Alemanha em número total de casos confirmados da covid-19 e se tornou o 7º país no mundo com mais casos da doença, segundo levantamento da universidade Johns Hopkins. O país europeu contabilizava 173.034 casos confirmados da covid-19 até 17h30 desta terça.

Também de acordo com dados do levantamento da universidade Johns Hopkins atualizados até 17h30, o Brasil é o sexto na lista de países com mais mortes em função do novo coronavírus, e fica atrás apenas de Estados Unidos (81.805), Reino Unido (32.769), Itália (30.911), França (26.994) e Espanha (26.744).

Puxada por Brasil e Estados Unidos, a região das Américas superou hoje a Europa em número de casos de covid-19, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) . Enquanto o continente americano já somava, no início do dia, 1,74 milhão de casos, o velho continente contabilizava 1,73 milhão. 

Para conter a rapidez do avanço do vírus, evitar a sobrecarga do sistema de saúde e poupar vidas, especialistas e autoridades sanitárias recomendam o isolamento social. 

Uma pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) com o Instituto MDA divulgada hoje mostra que a maior parte da população brasileira aprova as medidas de isolamento social e defende que elas sejam praticadas por todos, mesmo por aqueles que não estão no grupo de risco para o novo coronavírus. 

A pesquisa indica ainda que o governo Jair Bolsonaro perdeu apoio em meio à pandemia. O percentual daqueles que avaliam o governo como ruim ou péssimo subiu de 31% para 43,4% entre janeiro e maio. 

Contrariando autoridades sanitárias, o presidente tem insistido em discursos de flexibilização das medidas de isolamento social. Ontem, sem consultar o ministro da Saúde Nelson Teich Bolsonaro incluiu academias e salões de beleza na lista de serviços essenciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.