Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Em risco de nova epidemia de dengue, SP tem 2,5 criadouros de Aedes por residência

Há incidência também do vírus do tipo 2, que não circulava no Estado; doença está presente em 96% dos municípios de São Paulo

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2019 | 15h36

SOROCABA - Um levantamento inédito realizado pela Secretaria da Saúde e divulgado nesta sexta-feira, 29, aponta uma média de 2,5 criadouros do mosquito da dengue em cada residência do Estado de São Paulo. Com 390 mil casos confirmados e 256 óbitos até o dia 11 de novembro, o Estado está em risco de uma nova grande epidemia da doença, segundo o superintendente de Controle de Endemias, Marcos Boulos. No próximo dia 2, a pasta lança uma nova campanha contra o mosquito Aedes aegypti, que também transmite a zika e a chikungunya.

A pesquisa encontrou a maior prevalência de larvas do mosquito em recipientes móveis, como vasos de plantas, garrafas pet e potes plásticos. Havia 1,3 criadouros destes por casa positiva. Os recipientes naturais - plantas, ocos de árvores e bambu, por exemplo - tiveram o menor índice de criadouros com larvas. Também tiveram índices pouco expressivos, os recipientes em depósitos elevados, como sótãos e forros; fixos, como calhas, lajes e piscinas, e ainda aqueles passíveis de remoção, como sucata e entulhos.

O levantamento, realizado entre os meses de outubro e novembro pelos municípios, com acompanhamento da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), abrangeu 642 municípios. Destes, 134 foram considerados em alerta devido à alta presença de larvas, enquanto oito municípios - Barra do Turvo, Bento de Abreu, Iguape, Jacupiranga, Pedrinhas Paulista, Restinga, São Vicente e Tuiuti - estão em situação de risco devido à elevada proliferação do mosquito.

A classificação é feita com base no número de recipientes com presença de larvas do Aedes em cada 100 imóveis pesquisados. Nas cidades em risco, foram achados mais de 3,9 recipientes a cada centena de imóveis.

Conforme Boulos, a presença de tantos criadouros com larvas alerta para o risco de uma nova grande epidemia de dengue nos próximos meses, quando há previsão de calor e chuvas, condições favoráveis à proliferação do mosquito. “Até agora, o tempo nos ajudou, pois tivemos períodos com menos calor e chuvas do que o esperado. No entanto, é possível que tenhamos uma explosão de casos a partir de janeiro, por isso é preciso redobrar os esforços na eliminação dos criadouros”, disse.

Incidência maior de tipo de vírus que não circulava em SP

Um fator adicional de risco, segundo ele, é a incidência maior do vírus do tipo 2 da dengue, que antes não circulava no Estado. “Quem já teve dengue nos últimos anos, pode apresentar sintomas mais graves, caso pegue a doença com vírus de outro tipo, como o 2”, explicou. O especialista chamou a atenção para um novo cenário da dengue no Estado.

“A gente já fala em endemia, quando somos obrigados a conviver com uma doença. Este ano, tivemos surtos epidêmicos de dengue até no inverno. Os casos aconteceram o ano todo, e com uma mortalidade 30 vezes maior do que no ano passado.”

Em São Paulo, os números mostram que a doença está presente em 96% dos municípios, mas dez cidades concentram 43,2% dos casos confirmados. São elas: São José do Rio Preto (32.822), Campinas (26.246), Bauru (26.088), Araraquara (23.876), São Paulo (16.671), Ribeirão Preto (13.748), Birigui (7.916), Araçatuba (7.782), Presidente Prudente (7.584) e Guarulhos (6.383). Em 2019, o Estado registrou também 72 casos de zika e 280 da chikungunya, mas sem mortes em ambas as doenças.

Entre os dias 2 e 7 de dezembro, a pasta pretende engajar a sociedade civil, municípios, organizações públicas e privadas em uma grande mobilização de combate aos criadouros do mosquito. Serão realizados mutirões com apoio das prefeituras para a limpeza de casas, quintais e áreas públicas. Durante esta semana, uma força-tarefa das secretarias da Educação e da Saúde já atuou com foco na limpeza dos ambientes escolares, para que fiquem livres de criadouros durante as férias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.