Sergio Neves/AE
Sergio Neves/AE

Em SP, bairro Aricanduva lidera ranking de dor crônica

Segunda fase de pesquisa mapeou a incidência do problema por região da capital paulista

Agência Estado

10 Junho 2010 | 19h22

SÃO PAULO - Aricanduva, na zona leste de São Paulo, é o bairro em que mais pessoas convivem frequentemente com a dor, de acordo com a segunda fase da pesquisa Epidor, que este ano mapeou a incidência do problema por região da capital paulista.

 

A primeira etapa, divulgada em junho do ano passado, apontou que 27% (três milhões de pessoas) da população da cidade sofre de dor crônica, ou seja, com duração de mais de três meses.

 

O estudo foi realizado pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com profissionais do Hospital das Clínicas, e patrocinado pela Janssen-Cilag Farmacêutica. Com exclusividade, o Jornal da Tarde teve acesso a parte do material, que será divulgado na íntegra.

 

Foram consultados 2.401 paulistanos com idade superior a 18 anos. A pesquisa tem como principal objetivo avaliar a prevalência de dor crônica na população, suas causas, gravidade, duração e local exato, além de relacionar os resultados de acordo com a idade e o sexo de cada pessoa.

 

O bairro Aricanduva ocupa a liderança do ranking, com 67,4% dos habitantes afetados por dores, seguido de perto por Socorro, na zona sul, que apresenta índice de queixas de 65,9%. Já a terceira posição é do bairro Cachoeirinha, na zona norte, onde 52,1% dos habitantes apresentam dores crônicas.

 

Com base em comparações entre os resultados do estudo e indicadores sociais, os pesquisadores concluíram que em comum esses bairros têm baixo nível de escolaridade e alta concentração de pessoas por domicílio. As informações são do Jornal da Tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.