Em um final de semana, casos de gripe suína dobram no mundo

São 4.379 casos, dos quais 2,2 mil foram registrados nos EUA. México é o 2º país em número de casos - 1,6 mil

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

10 Maio 2009 | 16h55

O número de casos de gripe suína quase dobrou no mundo em apenas um fim de semana. Neste domingo, os dados oficiais da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontavam para 4.379 casos, dos quais 2,2 mil foram registrados nos Estados UNidos. O México, considerado até então como o epicentro do surto, tem um total de 1,6 mil casos. As mortes já chegam a três nos Estados Unidos, além de vítimas fatais no Canadá, Costa Rica e México, num total de 49.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde

 

Fontes da cúpula da OMS confirmaram ao Estado que a semana será "intensa" para a entidade, já que terá de se confrontar com a possibilidade de declarar uma pandemia se o ritmo de casos continuar como no fim de semana.

 

No total, 29 países já foram afetados. Parte do aumento nos números é reflexo do fato de que laboratórios começam a acelerar testes que estavam se acumulando. Mas a OMS admite que parte do crescimento também é gerado pela proliferação de pessoas contaminadas.

 

Os dados dos governos são ainda maiores. Nos Estados Unidos, o governo soma 2.532 casos, com três mortes. No México, os dados do governo indicam 48 mortos.

A OMS apenas contabiliza dados confirmados por laboratórios e que tenham sido comunicados pelas autoridades, o que pode acabar levando alguns dias para ocorrer.

 

Na América do Norte, o Canadá ainda conta com 280 casos e uma morte, contra oito casos na Costa Rica e uma morte.

 

A OMS continua a manter o nível 5 de alerta pandêmico, em uma escala de 1 a 6. Para que a pandemia seja declarada, os técnicos precisam confirmar a existência de uma transmissão sustentável em mais de uma região do mundo.

 

Europa

 

A atenção da OMS, portanto, continua concentrada na Europa. No total, já são 184 casos no continente, a maioria "importados" dos locais que sofreram o surto da gripe.

 

Mas, no fim de semana, os números voltaram a subir, principalmente no Reino Unido e Espanha. A OMS aponta como 39 os casos oficiais entre os britânicos. Mas o próprio governo já estima que o número seja de 55. Transmissões do vírus em escolas estão preocupando. Na Espanha, são 93 casos oficialmente registrados pela OMS, contra 95 já anunciados pelo governo.

 

Nesta semana, a OMS realiza duas reuniões importantes. A primeira ocorre amanhã, quando governos, entre eles o Brasil, se encontram para tentar fechar um acordo de compartilhamento de amostras dos vírus.

 

Já na quinta, empresas farmacêuticas de todo o mundo se encontram com a OMS para tentar estabelecer uma estratégia para a produção de vacinas e definir se de fato está na hora de começar a fabricação.

 

Brasil

 

Caiu de 30 para 18 o número de pessoas no Brasil com suspeita de terem contraído o vírus da gripe suína. Segundo o mais recente boletim do Ministério da Saúde, divulgado na tarde deste domingo, 10, os casos suspeitos de gripe suína estão nos Estados de São Paulo (6), Rio de Janeiro (2), Minas Gerais (1), Paraná (1), Distrito Federal (3), Santa Catarina (1), Pernambuco (2), Ceará (1) e Rondônia (1).

 

Além disso, informou o Ministério, cerca de 25 pessoas estão sendo monitoradas em dez Estados. Chegou a 156 o número de casos descartados, conforme dados repassados pelas Secretarias Estaduais de Saúde até as 9h de Sábado.

 

Até o momento, há seis casos confirmados de gripe suína no País - seis adultos jovens e uma criança.

 

 

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.