AP Photo/Arek Rataj
AP Photo/Arek Rataj

Em vilarejo chinês, drone de patrulha ordena dispersão de grupo para evitar coronavírus

Vídeo mostra aparelho transmitindo ordem para grupo que se reunia em área aberta. Governo quer evitar aglomerações para frear avanço do vírus que já deixou 361 mortos

Reuters, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2020 | 18h02

PEQUIM - Funcionários em algumas partes rurais da China estão literalmente vigiando os cidadãos usando drones para impedir reuniões públicas em meio à epidemia de coronavírus que já deixou 361 pessoas mortas no país. 

Um vídeo postado no Weibo, site similar ao Twitter, mostra um grupo de pessoas jogando mahjong (jogo tradicional chinês) em um vilarejo próximo à cidade de Chengdu. Eles são orientados a se dispersarem depois de serem encontrados por uma câmera acoplada a um drone de patrulha.

“Jogar mahjong em área aberta está banido durante a epidemia. Vocês foram localizados. Parem de jogar e deixem o lugar o quanto antes”, ordena um oficial enquanto assiste em uma tela a imagem captada pelo drone. “Não olhe para o drone, criança. Peça ao seu pai para sair imediatamente”, o funcionário fala ao menino que olha curiosamente para o drone. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Apesar da gravidade da epidemia de coronavírus, alguns internautas chineses no Weibo acharam o vídeo engraçado, o que rapidamente o fez viralizar. “High-tech faz a vida mais eficiente”, disse um usuário. Em outro vídeo, policiais abordam pessoas que não estavam usando máscaras e reforçam a necessidade de elas permanecerem em casa. 

O governo chinês tem pedido à população para ficar em casa e evitar aglomerações para prevenir o avanço do vírus. Lojas, cinemas e restaurantes em alguns lugares foram fechados. Mais de uma dúzia de cidades em Hubei, incluindo a capital Wuhan onde o vírus primeiro apareceu, estão em isolamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.