Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Embaixada da China promete 'esforço máximo' para garantir insumos de vacina contra covid ao Brasil

Matéria-prima do país é necessária para a produção de imunizantes da Fiocruz e do Instituto Butantan

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 13h52

A embaixada da China informou nesta quinta-feira, 21, que fará "máximos esforços" para conseguir avanços no envio de insumos para a fabricação de vacinas contra o coronavírus ao Brasil "sob a premissa de garantir saúde e segurança". A matéria-prima da China é necessária para a produção das vacinas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Butantan

"A parte chinesa tem sempre apoiado e continuará apoiando o fortalecimento de cooperação na área de vacinas entre as empresas e instituições dos dois países", afirmou, em nota, a embaixada. "Diante do vírus, a humanidade é uma comunidade de futuro compartilhado. As vacinas são a principal arma de combate à pandemia. A solidariedade e a ajuda mútua são o único caminho a seguir. Para a China, o único objetivo de pesquisar e desenvolver vacinas e promover a cooperação internacional é salvar mais vidas".

O Instituto Butantan afirmou ontem que praticamente esgotou a quantidade de insumos para fabricar a Coronavac no Brasil. O órgão ligado ao governo paulista já distribuiu o 1º lote, com seis milhões de doses, para começar a imunização no País. Além disso, tem condições de entregar só mais 4,8 milhões de unidades. Depois, depende da matéria-prima chinesa para garantir novas remessas.

O presidente Jair Bolsonaro reuniu ontem ministros, no Palácio do Planalto, e pediu que todos saíssem em defesa do governo na guerra das vacinas. 

Após desentendimentos com a China, o governo brasileiro agora nega divergências políticas e montou uma força-tarefa para negociar a importação deste insumo. O chanceler Ernesto Araújo, porém, tem sido isolado nas discussões. O próprio presidente Jair Bolsonaro, porém, já desacreditou a segurança e eficácia da Coronavac citando a sua "origem". O produto foi desenvolvido pela chinesa Sinovac. “Da China nós não compraremos. É decisão minha. Não acredito que ela transmita segurança suficiente a população pela sua origem, esse é o pensamento nosso", disse Bolsonaro, em 21 de outubro, em entrevista à Jovem Pan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.