Empresa espanhola duvida de métodos de pesquisa alemães perante surto

Responsáveis pela Frunet entrarão com processo por danos e prejuízos após ter produtos associados à bactéria E. coli

Efe

03 Junho 2011 | 16h13

Berlim - A cooperativa espanhola Frunet, apontada pelas autoridades de saúde de Hamburgo como uma das fontes do surto de "E. coli" que inicialmente se atribuiu a pepinos espanhóis, expressou nesta sexta-feira suas dúvidas a respeito do procedimento de análise para determinar a presença da bactéria.

"Achamos que houve erros na amostragem", denunciou em declarações à Agência Efe Antonio Lavao, gerente da Frunet, que pôs seu caso nas mãos de um escritório de advogados alemão com o qual estuda agora a possibilidade de reivindicar indenizações por danos e prejuízos.

Os produtores espanhóis consideram que as autoridades sanitárias de Hamburgo não atuaram com o devido zelo e que, entre outros erros, não se realizaram contranálises como estabelece a norma.

"Nos mencionaram diretamente como a origem do grande problema que há na Alemanha, mas não nos nomearam novamente de forma positiva quando descartaram que os pepinos espanhóis fossem o foco do surto", denunciou Lavao.

Os representantes da cooperativa malaguenha viajaram à Alemanha para que se restitua seu "bom nome", que passou a estar "mal visto".

"Viemos para recuperar a confiança de nossos clientes, a explicar quem somos e que realizamos todos os controles que necessários", assinalou o gerente de Frunet, que qualificou de "excessivamente grave" a situação que vive atualmente a empresa, cujo negócio se baseia principalmente na exportação e que "está parada desde as acusações".

O mercado alemão é vital para a cooperativa, que exporta mais de 30% de sua produção à Alemanha, país com o qual trabalham há 15 anos e onde conta também com "os melhores clientes".

Ao mesmo tempo, Lavao afirmou que os produtores espanhóis se sentem "tristes pelo problema de extrema gravidade" que vive atualmente a Alemanha como consequência deste perigoso surto, que já matou 17 pessoas, e outra na Suécia.

Veja também:

link OMS confirma que bactéria pode ser transmitida de pessoa para pessoa

link Tipo mortal de E. Coli mistura toxina conhecida com 'cola' rara

link Cientistas decifram o genoma da bactéria E-coli

especialSaiba mais sobre causas e prevenção da infecção intestinal na Alemanha

Mais conteúdo sobre:
bactériainfecçãoE. coli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.