Empresa russa diz que pretende lançar hotel espacial até 2016

Especialista americano vê ameaça ao comprometimento russo com a ISS

Associated Press, AP

29 Setembro 2010 | 15h59

Uma empresa russa anunciou nesta quarta-feira, 29, um plano ambicioso para preencher um vácuo no mercado de turismo espacial, pondo um hotel em órbita.

 

Veja também:

link Orçamento da Nasa causa impasse no Congresso americano

blog Nave espacial da Boeing, estação espacial inflável

 

A Orbital Technologies tem grandes planos para sua Estação Espacial Comercial, que receberá turistas e oferecerá espaço ocioso para astronautas e cientistas.

 

Mas é improvável que ela chegue ao espaço em breve. A empresa pretende lançar uma estação de sete cômodos  até 2016, mas pode aumentar ou diminuir a capacidade de acordo com a demanda.

 

Também não está claro se a estatal RKK Energia, citada como principal empreiteira do projeto, terá capacidade de executar o plano. A Energia constrói as naves Soyuz e Progress que levam astronautas e carga à Estação Espacial Internacional (ISS).

 

O principal executivo da  Orbital Technologies,  Sergey Kostenko, disse que sua estação será projetada especificamente para receber turistas. 

 

"Será mais confortável que a ISS porque não terá nenhum equipamento científico supérfluo", declarou.

 

Até agora, os turistas espaciais tiveram de viajar de carona em naves Soyuz para passar algum tempo a bordo da ISS, flutuando a bordo da estação científica e tentando não quebrar nada.

 

A empresa não revelou o custo do projeto, nem quanto será a diária do hotel orbital. Em 2009, o turista espacial canadense Guy Laliberte pagou US$ 35 milhões por 12 dias a bordo da ISS.

 

O chefe do programa espacial tripulado russo, Alexey Krasnov, disse que a nova estação poderia oferecer um refúgio para a tripulação da ISS no caso de uma emergência.

 

No entanto, Jim Oberg, um consultor baseado em Houston (EUA) e especialista no programa espacial russo, advertiu que duas estações espaciais próximas exigiram demais dos sistemas de rastreamento e comunicações na Terra.

 

Oberg afirmou que o novo projeto levanta dúvidas quanto ao comprometimento da Rússia com a ISS. Uma nova estação em órbita acessível a partir da ISS permitiria que os russos desconectassem seus módulos da estação internacional e os transferissem para a nova base.

 

"Por que a Rússia gastaria os recursos necessários é uma questão importante que tem implicações significativas para seu futuro comprometimento com a ISS, um comprometimento em que a Nasa apostou, na ausência de meios americanos de acesso à órbita.

 

O único veículo americano capaz de levar seres humanos à órbita da Terra é o ônibus espacial, cuja frota será aposentada no ano que vem. Uma nova tecnologia para substituí-los ainda está alguns anos no futuro, e até lá os EUA dependerão de naves russas para poder utilizar a ISS.

 

"A Nasa deve se dedicar agora a garantir que não seremos chantageados, eliminando nossa vulnerabilidade", acrescentou Oberg.

Mais conteúdo sobre:
espaço rússia estação espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.