Empresas de cigarro usam mentol para atrair jovens, diz estudo

Pesquisadores revisaram documentos da indústria sobre desenvolvimento de produtos com mentol

AP

16 de julho de 2008 | 18h42

As companhias de tabaco deliberadamente mudaram os níveis de mentol em seus cigarros dependendo do mercado que planejavam atingir - níveis mais baixos para fumantes jovens que preferem marcas mais suaves e níveis mais altos para fumantes adultos, disseram pesquisadores da Universidade Harvard. Os pesquisadores revisaram documentos de décadas da indústria sobre desenvolvimento de produtos e planos estratégicos para produtos com mentol. Eles disseram que as companhias de tabaco pesquisaram como o controle dos níveis de mentol poderia aumentar as vendas entre grupos específicos. Cigarros mais suaves tinham apelo maior para fumantes jovens. Então, o marketing era feito para o público jovem.  Um documento da R.J. Reynolds nota que as três maiores marcas de mentol "construíram seu produto com os jovens adultos fumantes usando uma estratégia de baixo nível de mentol. Entretanto, à medida que os fumantes se acostumam ao mentol, ele desejam aumentos em seus níveis com o tempo." Em 1987, R.J. Reynolds vendia variedades de pouco mentol para convencer os consumidores a mudar das marcas comuns e para recrutar novos, jovens fumantes, notando: "A primeira reação do fumante é geralmente negativa. Negativas iniciais podem ser diminuídas com um baixo nível de mentol." A Philip-Morris dos EUA usou uma estratégia de duas frentes para aumentar a parcela do mercado de mentol da Marlboro, buscando atingir tanto os fumantes jovens como os mais antigos, concluíram os pesquisadores. O Marlboro Milds foi introduzido no mercado nacionalmente em 2000, e se tornou popular entre jovens. Essa entrada coincidiu com o aumento do mentol no Marlboro Mentol, cujo publico-alvo são os fumantes mais velhos. O milds foi responsável por praticamente 80% do crescimento da companhia na categoria mentol naquele ano.  "Por décadas, a indústria do tabaco cuidadosamente manipulou o conteúdo do mentol não só para atrair jovens como para prender os consumidores adultos", disse Howard Koh, autor do estudo.  William Phelps, porta-voz da Philip Morris EUA, a Mior companhia de tabaco dos Estados Unidos, disse que as conclusões não eram justificadas pelos fatos citados. Ele disse que o estudo inclui excertos de diversos documentos de marketing. Nenhum falava de ter jovens como objetivo comercial.  "Em nossa companhia, nosso objetivo de marketing é descobrir uma maneira de, efetivamente e responsavelmente, conectar as marcas ao adultos que fumam", disse. "Essas marcas são pensadas para atender às diversas preferências de adultos. Discordamos com os autores de que os níveis de mentol sejam manipulados para ganhar mercado entre adolescentes." Greg Connolly, um dos autores, disse que a indústria foi cuidadosa para não citar adolescentes nos documentos que revisou da década de 1980 a 1990. "Eles falam de jovens fumantes. Para mim, isso é quase um eufemismo para adolescentes." O Congresso está considerando uma legislação que daria ao Food and Drug Administration (FDA) o poder de regular o tabaco. Enquanto a lei baniria sabores de doces ou frutas, ela permitiria a venda dos sabores mentolados. Isso levou a diversas críticas daqueles que argumentam que os cigarros de mentol levam muitas pessoas ao fumo, além de impedir que muitas desistam dele.  Phelps acredita que banir o mentol seria um erro. "Nós não acreditamos que seja certo banir um ingrediente particular só porque algumas pessoas preferem esse sabor." A Philip Morris é a única empresa de tabaco grande que apóia a regulamentação da FDA, e seu apoio é considerado um ganho importante.  Phelps disse que a lei, como está escrita agora, permitiria que a FDA banisse o mentol se determinasse cientificamente que o sabor aumenta o risco associado ao fumo.  As marcas de cigarros de mentol representam cerca de 27% do mercado nos Estados Unidos. Enquanto no geral os cigarros comuns têm perdido em vendas, as vendas dos mentolados permanece estável há anos.

Tudo o que sabemos sobre:
tabacosaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.