Encontrado na Antártida fóssil de baleia mais antigo do mundo

Animal viveu há 49 milhões de anos; mandíbula reconstruída permitiu estabelecer a origem

Efe,

12 de outubro de 2011 | 11h48

       

BUENOS AIRES - A Direção Nacional da Antártida, órgão argentino, anunciou nesta terça-feira, 11, a descoberta do fóssil de uma baleia que viveu há 49 milhões de anos, o mais antigo do mundo até o momento.

 

Trata-se de uma mandíbula reconstruída, de cerca de 60 centímetros, que permite saber que a origem da linhagem desta baleia é mais antiga do que se pensava, assegurou a paleontóloga argentina Claudia Tambussi.

 

A descoberta do "Arqueoceto Antártico", um parente distante das baleias, foi feita no nordeste da Península Antártica, perto do Mar de Weddell, por Claudia Tambussi, seu compatriota Marcelo Reguero e os suecos Thomas Mörs e Jonas Hagström, estes dois últimos do Museu de História Natural de Estocolmo.

 

Este "Arqueoceto Antártico" pertence ao grupo Basilosauridae, do qual se originaram todos os cetáceos atuais.

 

As "baleias semiaquáticas" - as Protocetidae, com quatro patas desenvolvidas - viveram na região entre a Índia e o Paquistão há 53 milhões de anos, enquanto o "Arqueoceto Antártico" tem 49 milhões de anos e é totalmente aquático.

 

Os fósseis foram apresentados pela Direção Nacional da Antártida durante a Tecnópolis, uma enorme mostra na periferia de Buenos Aires, na qual foram recriadas as maiores conquistas científicas e tecnológicas do país com maquetes em tamanho real e imponentes cenários futuristas.

 

Claudia Tambussi, que assim como Reguero trabalha no Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet), comentou que este fóssil de baleia é o primeiro localizado na Antártida Argentina.

A Direção Nacional da Antártida também informou que outro grupo de paleontólogos encontrou na ilha James Ross restos de um dinossauro sauropodomorfo, um ankylosauros, répteis marítimos (plesiossauros) e peixes ósseos.

 

Também foram coletados amostras de dentes de tubarões e um esqueleto quase completo de um pinguim gigante (entre 1,50 metro e 1,60 metro de altura), com aproximadamente 34 milhões de anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.