Encontrados 95 genes que afetam a taxa de colesterol no sangue

As descobertas mostram que regular o colesterol é uma tarefa mais complexa do que se imaginava

REUTERS,

04 de agosto de 2010 | 17h52

Uma varredura de todo o DNA humano revelou 95 genes que afetam a taxa de colesterol no sangue, incluindo alguns que são afetados por drogas que já estão no mercado e outros que poderão se tornar alvo de novas drogas, disseram pesquisadores nesta quarta-feira.

 

As descobertas mostram que regular o nível de colesterol é uma tarefa mais complexa do que se imaginava, mas também apontam para alguns atalhos na prevenção de doenças cardíacas.

 

As variações encontradas respondem por entre um quarto e um terço das variações hereditárias de colesterol e triglicérides, informam os cientistas na edição desta semana da revista Nature. Dieta e exercícios também podem afetar fortemente os níveis de colesterol.

 

"Esses resultados ajudam a refinar nosso caminho na prevenção e tratamento da doença cardíaca, um problema de saúde que afeta milhões de pessoas nos EUA e muitas mais pelo mundo", disse Francis Collins, diretor dos Institutos Nacionais de saúde (NIH) dos Estados Unidos e que tomou parte na execução do estudo.

Uma grande equipe internacional de pesquisadores mapeou o DNA de mais de 100.000 pessoas para identificar os genes que afetam as várias formas de colesterol, incluindo a lipoproteína de alta densidade, o "colesterol HDL", ou "colesterol bom"; a lipoproteína de baixa densidade, o "colesterol LDL", ou" colesterol ruim"; e os triglicérides.

 

Essas formas de gordura são essenciais para as células, mas também podem entupir os vasos sanguíneos ou enrijecer as artérias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.