Daniel Obrist/Divulgação
Daniel Obrist/Divulgação

Encontrados altos níveis de mercúrio na atmosfera sobre o Mar Morto

Mercúrio oxidado é perigoso porque pode contaminar rapidamente a cadeia alimentar

estadão.com.br, estadão.com.br

29 Novembro 2010 | 18h20

Em hebraico, o Mar Morto é chamado  Yam ha-Melah, o "mar de sal". Novas medições mostram que o sal do mar  tem efeitos profundos na química do ar sobre a superfície.

 

Veja também:

link Perfuração no Mar Morto espera revelar segredos do clima do passado

 

A atmosfera sobre o Mar Morto, determinaram pesquisadores, está repleta de mercúrio oxidado.

 

Alguns dos mais elevados níveis de mercúrio oxidado já observados fora das regiões polares existem ali. os resultados aparecem na revista Nature Geoscience.

 

Na pesquisa, o cientista Daniel Obrist  e colegas dos EUA e Israel mediram vários períodos de níveis atmosféricos extremamente altos de óxidos de mercúrio.

 

O mercúrio existe na atmosfera em estado puro ou oxidado. É emitido por vários processos, tanto naturais quanto provocados pelo homem, e pode ser convertido de uma forma para a outra na atmosfera.

 

Altos níveis de mercúrio oxidado são preocupantes, disse Obrist, porque essa forma se deposita rapidamente sobre o meio. A deposição atmosférica é o principal modo pelo qual o mercúrio, uma poderosa neurotoxina, chega aos ecossistemas.

 

Uma vez depositado, o mercúrio pode acumular-se na cadeia alimentar, atingindo altos níveis, que podem prejudicar a saúde humana, principalmente por meio de consumo de peixe contaminado.

 

A observação de altos níveis naturais de mercúrio oxidado tinham sido limitadas à atmosfera polar.

 

Agora, segundo Obrist, "encontramos um empobrecimento quase completo de mercúrio elemental e a formação de algumas das taxas mais elevadas de mercúrio oxidado já vistas sobre o Mar Morto, um lugar onde as temperaturas chegam a 45º C.

 

Esse tipo de fenômeno era inesperado fora do frio dos polos. Acreditava-se que o calor impediria o processo.

Mais conteúdo sobre:
mar mortomercúrioambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.