Petr David Josek/AP
Petr David Josek/AP

Encontros virtuais já superam outras formas de paquera, diz estudo

Segundo uma revisão de 400 pesquisas, no início da década de 1990 menos de 1% da população encontrava parceiros por esse meio, já em 2005, 37% se conheceram pela rede

Estadão.com.br,

06 de fevereiro de 2012 | 17h51

A paquera pela internet já superou outras formas de encontro nos Estados Unidos e perde apenas para o encontro através de amigos, mostra uma nova pesquisa. De acordo com uma revisão de 400 estudos, no início da década de 1990 menos de 1%  da população encontrava parceiros por esse meio. Em 2005, 37% se conheceram pela rede.

"A revolução digital no romance é um benefício para os solitários, fornecendo acesso a parceiros potenciais", dizem os autores. "Os encontros virtuais são definitivamente uma guinada nos relacionamentos", diz Harry Reis, um dos coautores do estudo, da Universidade de Rochester.

Mas esses encontros têm suas armadilhas. Comparar dezenas e centenas de possíveis candidatos pode encorajar uma mentalidade na qual as pessoas se tornam extremamente julgadoras e exigentes, focando exclusivamente em uma estreita lista de critérios de atratividade ou interesse. E corresponder-se por computador por meses antes do encontro cara a cara pode criar expectativas não realistas.

Outro estudo, feito em 2010 com mais de seis mil usuários de um site de encontros, descobriu que homens olhavam três vezes mais perfis do que as mulheres. Os homens também foram aproximadamente 40% mais chance de começar um contato com uma mulher após visualizar o perfil do que elas.

Os autores alertam que enfatizar a busca por uma "alma gêmea" pode encorajar aproximações não realistas, ou destrutivas. "Essas pessoas podem querer terminar o relacionamento quando qualquer problema aparece", diz.A paquera pela internet já superou outras formas de encontro nos Estados Unidos e perde apenas para o encontro através de amigos, mostra uma nova pesquisa. De acordo com uma revisão de 400 estudos, no início dos anos 1990 menos de 1%  da população encontrava parceiros por esse meio. Em 2005, 37% se conheceram pela rede.

"A revolução digital no romance é um benefício para os solitários, fornecendo acesso a parceiros potenciais", dizem os autores. "Os encontros virtuais são definitivamente uma guinada nos relacionamentos", diz Harry Reis, um dos coautores do estudo, da Universidade de Rochester.

Mas esses encontros têm suas armadilhas. Comparar dezenas e centenas de possíveis candidatos pode encorajar uma mentalidade na qual as pessoas se tornam extremamente julgadoras e exigentes, focando exclusivamente em uma estreita lista de critérios de atratividade ou interesse. E corresponder-se por computador por meses antes do encontro cara a cara pode criar expectativas não realistas.

Outro estudo, feito em 2010 com mais de seis mil usuários de um site de encontros, descobriu que homens olhavam três vezes mais perfis do que as mulheres. Os homens também foram aproximadamente 40% mais chance de começar um contato com uma mulher após visualizar o perfil do que elas.

Os autores alertam que enfatizar a busca por uma "alma gêmea" pode encorajar aproximações não realistas, ou destrutivas. "Essas pessoas podem querer terminar o relacionamento quando qualquer problema aparece", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.