Victoria Jones/AFP
Victoria Jones/AFP

Entenda o que houve no caso da reação alérgica à vacina da Pfizer no Reino Unido

Dois profissionais tiveram reação grave após receberem o imunizante. Governo adotou providências e investiga o caso. Pessoas com histórico de alergias graves devem evitar receber as doses enquanto situação é apurada

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2020 | 05h00

Duas pessoas que receberam a vacina da Pfizer no Reino Unido desenvolveram uma reação alérgica grave ao imunizante, de acordo com informações divulgadas pelas autoridades britânicas. Os órgãos reguladores investigam o caso e decidiram restringir a aplicação das doses em pessoas com históricos de reações igualmente graves. O Estadão separou respostas para as perguntas mais comuns que surgiram sobre a notícia. Veja a seguir: 

Qual foi a reação identificada em dois profissionais do Reino Unido que receberam a vacina da Pfizer? 

O Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra (NHS, em inglês) confirmou que dois profissionais de saúde sofreram uma reação após receberem a primeira das duas doses da vacina. Pouco depois de serem imunizados, eles sofreram uma "reação anafilática", mas se recuperaram bem. Logo após os sintomas, receberam o tratamento adequado, de acordo com as autoridades sanitárias.

Qual foi a medida adotada pelo Reino Unido após a reação alérgica desses profissionais? 

Órgãos reguladores do país passaram a adotar medidas que restringem a aplicação da vacina em pessoas com um "histórico significativo" de reações alérgicas. A recomendação deve durar enquanto autoridades locais investigam dois casos de reação alérgica ocorridos no primeiro dia de vacinação em massa no país. 

O que pode ter causado a reação alérgica à vacina da Pfizer? 

As causas ainda estão sob investigação. Mas é cogitado que a reação alérgica na vacina da Pfizer pode ter sido causada por um componente do imunizante chamado polietilenoglicol (PEG), que auxilia na estabilização da dose e não está presente em outros tipos de vacina.

Sou alérgico a determinados tipos de comida. Devo ser afetado pela vacina? 

Os órgãos têm destacado que a reação pode ocorrer em pessoas com reações alérgicas graves. As autoridades chegaram a falar que isso poderia ser desencadeado em pessoas com histórico de intolerância alimentar, mas a informação foi retificada para ressaltar que o mais provável é que a reação aconteça em pacientes com histórico anterior semelhante à anafilaxia, reação alérgica grave e de rápida progressão que pode provocar a morte. Mas os efeitos específicos ainda estão sendo analisados. 

A restrição pode se estender à aplicação da vacina da Pfizer em outros países?

Sim. Uma autoridade dos Estados Unidos disse nesta quarta-feira que americanos com reações alérgicas severas poderão não estar aptos a receberem a vacina da Pfizer. "A expectativa é que pessoas com alergia severa não devem tomar a vacina até entendermos exatamente o que aconteceu", disse Moncef Slaoui, conselheiro-chefe do país nos esforços para o desenvolvimento e distribuição da vacina contra  a covid-19. O Ministério da Saúde do Canadá disse também estar acompanhando o caso.

A agência regulatória da União Europeia informou que poderá usar dados de outros países para avaliar a segurança do imunizante da Pfizer antes de tomar uma decisão no processo de aprovação do imunizante. 

É comum haver reação alérgica a vacinas? 

O professor Stephen Evans, da London School of Hygiene & Tropical Medicine, disse, de acordo com o divulgado pelo jornal americano The Washigton Post, que reações alérgicas ocorrem com um bom número de vacinas, "e mais frequentemente com medicamentos". "Então, não é algo inesperado", apontou. "O que seria sensato é que todos que tenham uma reação alérgica conhecida, como aqueles que precisam andar com uma EpiPen (Adrenalina auto injetável), que adiem a vacinação até que a razão dos episódios sejam esclarecidas", disse Evans. 

A medida tomada pelo Reino Unido de alertar sobre o caso e restringir a aplicação a pessoas com histórico de reações graves é acertada? 

A vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai, entende a decisão do Reino Unido como uma medida de precaução. Segundo ela, a preocupação se dá, principalmente, em razão do momento em que o mundo vive diante de uma vacina contra o novo coronavírus. "Estamos em um momento vivendo a chegada de uma vacina nova, por isso, toda precaução para proteger não só a população, mas também a vacina, é necessária. Neste momento, todo cuidado deve ser feito para garantir a segurança e a confiança da população na vacina."

Isabella pontua que toda vacina tem entre as suas contraindicações histórico de anafilaxia para determinado componente. "A vacina da febre amarela é contraindicada para pessoas que têm histórico de anafilaxia ao ovo da galinha, por exemplo.

O que é a anafilaxia, efeito associado às reações alérgicas graves? 

É uma reação alérgica grave e de rápida progressão que pode provocar a morte. Contra esses efeitos, algumas pessoas que precisam carregar consigo adrenalina autoinjetável, recomendada para controlar casos em que a crise alérgica evolui de forma rápida e aguda. A adrenalina autoinjetável parece uma caneta de insulina que o paciente pode aplicar em situações de emergência em que se expôs inadvertidamente.

"Quem tem alergia grave a picada de um inseto ou a algum alimento, por exemplo, tem risco de anafilaxia. No exterior, é muito comum pessoas com esse tipo de alergia carregarem aplicador na bolsa para casos de emergência e dificuldade de chegar a tempo a um serviço médico", afirma Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.