Sérgio Castro/ Estadão
Sérgio Castro/ Estadão

Entenda quais alimentos embalados têm excesso de sódio, açúcar adicionado e gordura saturada

Nutrientes estão relacionados com diversas alterações metabólicas quando consumidos em excesso e com frequência

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2020 | 21h28

Os três ingredientes que passarão a ter um destaque maior nos rótulos dos produtos embalados - sódio, açúcar adicionado e gordura saturada - estão presentes em muitos dos alimentos industrializados e costumam fazer parte da dieta de boa parte dos brasileiros. A fim de entender melhor a participação deles em alguns produtos, o Estadão pediu ajuda para Maria Fernanda Vischi D'Ottavio, nutricionista do HCor, para entender melhor as informações que estarão nas embalagens.

Segundo a especialista, esses nutrientes estão relacionados com diversas alterações metabólicas quando consumidos em excesso e com frequência. "Sódio, açúcar adicionado e gordura saturada são nutrientes relacionados a hipertensão, aumento do colesterol circulante no sangue, diabetes, doença renal, além de contribuir para obesidade fator de risco para essas e outras doenças", explica Maria Fernanda.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou alterações nos rótulos dos produtos embalados para que essas coisas fiquem mais claras para o consumidor. Então o alimento que tiver alto teor na composição de um desses três itens (ou mais de um deles) terá uma lupa destacada com essa informação.

Já a tabela nutricional sofreu também alterações para mostrar as informações com mais clareza. A letras serão sempre pretas em fundo branco, é obrigatória a identificação de açúcares totais e adicionais, o produto precisa declarar o valor energético e nutricional por 100 g ou 100 ml e deverá apresentar o número de porções por embalagem.

"Além de ler a tabela nutricional para saber a composição do produto, ler a lista de ingredientes é bastante importante. Eles são descritos em ordem decrescente, permitindo que a pessoa saiba o que contém mais naquele produto, e por isso recomendo para as pessoas consumirem alimentos com mais ingredientes naturais e familiares, que geralmente são os menos 'embalados' ou 'processados'” afirma.

Ela avisa que existe um padrão de consumo diário de 2 mil calorias por pessoa, e é isso que deve constar nas embalagens. Mas Maria Fernanda reforça que esse é um valor padrão e pode variar de acordo com a pessoa, pois se tem algum problema pode precisar consumir menos um ingrediente, ou se pratica muita atividade física pode consumir um pouco acima também.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.