Estadão
Estadão

Entidades criticam ações para redução de cesáreas

Associações médicas fizeram manifesto contra consulta pública do governo com orientações para partos para os profissionais

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

22 Maio 2015 | 20h21

BRASÍLIA - Incomodadas com a estratégia anunciada pelo Ministério da Saúde para tentar reduzir o grande número de cesáreas no País, associações médicas partiram para o ataque. O alvo é um documento em consulta pública, em que o governo propõe uma série de orientações para profissionais sobre como agir no momento do parto. 

Associação Médica Brasileira, Federação de Associações Brasileiras de Ginecologia e Obstetrícia e Sociedade Brasileira de Pediatria, em manifesto conjunto divulgado nesta sexta-feira, 22, afirmam que as recomendações podem colocar em risco a vida da gestante e que algumas práticas sugeridas estão na contramão do que é feito em outros países. 


A maior crítica das entidades médicas se concentra na recomendação feita pelas diretrizes para que o parto normal seja indicado para mulheres que já passaram por três cesáreas anteriores. “Atualmente, essa recomendação pode ser feita para aquelas que já tiveram até duas cesáreas. Aumentar esse limite aumenta o risco para mulheres”, diz Renato Passini, obstetra da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). 

Em nota, o Ministério da Saúde observou que o parto é uma conquista científica, que, quando indicado corretamente, salva vidas. “O que não se pode aceitar é o excesso. O parto deve ser encarado como uma questão de saúde.” 

Mais conteúdo sobre:
SaúdeCesáreasgravidez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.