Divulgação/ESA
Divulgação/ESA

Enxofre na atmosfera de Vênus simula efeito de geoengenharia, diz ESA

Evaporação do ácido sulfúrico na atmosfera pode complicar plano para resfriar a Terra

estadão.com.br, estadão.com.br

30 Novembro 2010 | 18h27

Cientistas conseguiram explicar a presença de uma misteriosa camada de dióxido de enxofre nas altas regiões da atmosfera de Vênus. De acordo com nota divulgada pela Agência Espacial Europeia (ESA), o resultado pode ser um alerta sobre algumas estratégias propostas para mitigar o aquecimento global na Terra.

 

Vênus está envolto em nuvens de ácido sulfúrico que impedem a observação direta de sua superfície. As nuvens se forma a altitudes de 50 km a 70 km, quando o dióxido de enxofre dos vulcões se combina com o vapor de água para forma gotículas de ácido.

 

Todo o dióxido restante deveria ser rapidamente destruído pela radiação solar acima dos 70 km. 

Por isso, a detecção de uma camada de dióxido de enxofre pela sonda europeia Venus Express, a uma altitude de 90 km a 110 km, foi encarada como um mistério.

 

Agora, simulações de computador realizadas por pesquisadores de vários países mostraram que algumas das gotículas de ácido podem evaporara a altas altitudes, liberando ácido em estado gasoso que então é quebrado pela luz do Sol, liberando o dióxido.

 

"As novas descobertas mostram que o ciclo do enxofre na atmosfera é mais complexo do que pensávamos", disse Håkan Svedhem, cientista do projeto Venus Express.

 

De acordo com nota da ESA, essa nova compreensão pode ser um alerta de que uma das técnicas propostas para mitigar o aquecimento global poderá não ser tão eficaz quanto se imaginava.

 

O ganhador do Prêmio Nobel Paul Crutzen propôs a injeção de grandes quantidades de dióxido de enxofre na atmosfera da Terra, a uma altitude de 20 km, para contrabalançar o aquecimento global.

 

A proposta parte de observações do que ocorre em grandes erupções vulcânicas, que disparam dióxido de enxofre para o alto da atmosfera. Ao chegar aos 20 km de altitude, o gás forma gotículas de ácido sulfúrico, como as das nuvens de Vênus, que se espalham pela Terra. as gotas criam uma camada de neblina  que reflete luz solar de volta ao espaço, reduzindo a temperatura do planeta.

 

No entanto, as simulações a respeito do ciclo do enxofre em Vênus sugerem que a neblina protetora poderá ser rapidamente transformada em gás, que é transparente e permite a passagem da luz solar.

Mais conteúdo sobre:
esa vênus efeito estufa astronomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.