Época de temporais exige cuidados com a saúde, recomenda secretaria

Dicas podem ajudar a evitar doenças causadas pelo contato com água e lama infectadas

estadão.com.br

07 Dezembro 2010 | 00h56

SÃO PAULO - Com a chegada do calor, as chuvas tornam-se mais frequentes e fortes. O grande volume de água, muitas vezes, é maior que a capacidade de escoamento das cidades, provocando enchentes e colocando em risco a saúde da população.

Por isso a Secretaria de Estado da Saúde preparou uma lista de dicas que podem ajudar os paulistas a evitar doenças causadas pelo contato com água e lama infectadas.

Ao passar por áreas urbanas ou rurais, a água das enchentes agrega resíduos e microorganismos de várias origens, podendo contaminar e provocar doenças nas pessoas que com ela tenham contato direto ou indireto.

Os resíduos contidos nessa água sob a forma de lama podem impregnar e contaminar todos os locais atingidos pelas enchentes, como pisos, paredes, móveis e outros objetos das residências.

É fundamental, portanto, que se evite contato com água de enchente. Caso isso seja inevitável, permaneça o menor tempo possível nela. Não deixe que crianças nadem ou brinquem nesses locais, pois, além do perigo da correnteza, elas podem ficar doentes. Evite também manusear objetos que tenham sido atingidos por essa água ou lama. Proteja os pés e as mãos com botas e luvas de borracha ou sacos plásticos duplos.

Jogue fora medicamentos e alimentos (frutas, legumes, verduras, carnes, grãos, leites e derivados, enlatados) que entrarem em contato com a água da enchente, mesmo que estejam embalados com plásticos ou fechados, pois, ainda assim, podem estar contaminados.

Lave bem as mãos antes de preparar alimentos e ao se alimentar. Procure beber sempre água potável, que não tenha tido contato com a chuva, e utilize-a no preparo dos alimentos, especialmente das crianças menores de um ano. Para garantir que a água é segura para consumo, ferva-a por pelo menos um minuto, ou adicione duas gotas de hipoclorito de sódio com concentração de 2,5% (água sanitária) para cada litro de água.

Os frascos de hipoclorito de sódio a 2,5%, próprios para serem diluídos na água de beber e cozinhar, podem ser encontrados em farmácias ou supermercados. Na falta dessas opções, use água sanitária, tomando o cuidado de adquirir apenas aquelas que tenham registro e não contenham outras misturas, como perfumes.

Se sua casa for atingida pela enchente, após o recuo da água providencie a limpeza e a desinfecção dos ambientes, utensílios, móveis e outros objetos. Usando luvas, botas de borrachas ou outro tipo de proteção para as pernas e braços (como os sacos plásticos duplos), descarte para a coleta pública tudo o que não puder ser recuperado e remova - com escova, sabão e água limpa - a lama que restou nos ambientes, utensílios, móveis e outros objetos da casa.

No caso de utensílios domésticos (panelas, copos, pratos e objetos lisos e laváveis), lave-os normalmente com água e sabão. Depois, prepare uma solução desinfetante, diluindo um copo (200 ml) de água sanitária a 2,5% em quatro copos de água (800 ml). Mergulhe na solução os objetos lavados, deixando-os ali por pelo menos uma hora.

No caso de pisos, paredes, móveis e outros objetos, após retirar a lama lave o local com água e sabão e, em seguida, prepare uma solução diluindo um copo (200ml) de água sanitária em um balde de 20 litros de água. Umedeça um pano na solução e passe nas superfícies, deixando-as secar naturalmente.

"Esses cuidados são essenciais para que as pessoas possam se prevenir contra as doenças infectocontagiosas mais incidentes na época de chuvas, especialmente a leptospirose, que nos casos mais graves pode até levar à morte", afirma a diretora da Vigilância Sanitária Estadual, Maria Cristina Megid.

Mais conteúdo sobre:
temporais

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.