Equipe médica inicia procedimentos para reconstruir rosto de mulher no Peru

Tumor no olho da mulher de 22 anos está se espalhando e seguindo rumo ao cérebro

Efe

15 Junho 2011 | 17h56

Lima - Uma equipe médica formada por 40 profissionais peruanos iniciou nesta quarta-feira o procedimento para extirpar um tumor de 1,5 quilo e posteriormente reconstruir o rosto de uma paciente de 22 anos, segundo o ministro da Saúde do Peru, Óscar Ugarte.

A operação começou na manhã desta quarta-feira no Hospital Dos de Mayo e terá duração de 22 horas nesta primeira etapa - a paciente Victoria M. precisará de outras intervenções até a última fase, na qual será submetida a uma cirurgia estética reconstrutiva, afirmaram à Agência Efe fontes médicas.

Victoria tem desde os nove anos um tumor no olho esquerdo que foi crescendo até deformar os ossos da cabeça e do crânio, o que torna a cirurgia extremamente complicada.

"Sei que vai ser um milagre, que tudo vai correr bem e vou ser normal", afirmou a paciente à rádio "Programas del Peru" pouco antes de entrar na sala de cirurgia.

O doutor José Fuentes Rivera, diretor do Hospital Dos de Mayo, disse que o tumor "deteriorou o olho esquerdo, o paladar, o maxilar, a testa e está se propagando rumo ao cérebro", o que representa um perigo para a vida da mulher.

O hospital, por iniciativa da Presidência do Conselho de Ministros, encomendou na Suíça próteses de três peças do crânio e do rosto da paciente para serem colocados nesta quinta-feira.

Depois desta primeira operação, serão realizadas outras quatro intervenções para fazer "vários enxertos para a reconstrução do nariz, das próteses oculares e finalmente a cirurgia estética", que consistirá em um transplante parcial do rosto.

O médico espera que o transplante de rosto possa ser realizado dentro de 30 dias, dependendo da evolução da paciente, e se tornará a primeira intervenção cirúrgica deste tipo no Peru - segundo o médico, existem apenas oito casos de reconstruções de rosto no mundo todo.

Fuentes Rivera informou que as cirurgias custarão aproximadamente US$ 90 mil, que serão cobertos pelo Ministério da Saúde, o Seguro Integral de Saúde e o próprio Hospital Dos de Mayo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.