ESA confirma que ozônio no Polo Norte atingiu nível mínimo histórico

Destruição do ozônio foi provocada por 'um inverno estratosférico muito frio e persistente'

EFE,

05 Abril 2011 | 14h13

Paris, 5 abr (EFE).- A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou nesta terça-feira que o nível da camada de ozônio no Polo Norte atingiu seu nível mínimo histórico, como antecipou o Centro Nacional de Pesquisas Científicas francês (CNRS).

Veja também:

linkCientistas franceses detectam destruição recorde de ozônio no Polo Norte

O satélite Envisat da ESA registrou um mínimo histórico no nível de ozônio sobre o setor Euro-Atlântico do hemisfério norte durante o mês de março, disse a agência, com sede em Paris.

Nesta segunda, 4, o CNRS havia anunciado uma diminuição de 40% da camada em uma "zona extensa", fenômeno nunca antes observado, justificando-o por "um inverno estratosférico muito frio e persistente".

Veja as medições de ozônio nos meses de março desde 1979

Segundo a ESA, esta situação é a consequência da presença de ventos fortes na região, que provocaram temperaturas muito baixas. Em contato com os clorofluorcarbonos (CFC), essas massas de ar provocaram uma deterioração do ozônio.

"As moléculas de ozônio continuarão a ser destruídas nas próximas décadas, sobretudo durante os invernos árticos especialmente frios", disse a ESA.

A camada de ozônio protege a atmosfera terrestre a cerca de 25 km de altura e filtra a radiação solar, eliminando grande parte dos raios ultravioleta.

Mais conteúdo sobre:
ESAcamada de ozônioPolo Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.