Escutar Mozart durante colonoscopia facilita detecção do câncer

Estudo mostra que música do pianista austríaco auxilia médicos durante a realização deste exame, feito para descobrir se a pessoa sofre de tumores no intestino

Estadão.com.br,

31 de outubro de 2011 | 19h34

Ouvir concertos do pianista austríaco Wolfgang Amadeus Mozart durante a execução de uma colonoscopia - exame que ajuda na descoberta do câncer no intestino - pode aumentar as chances de detecção de pólipos pré-cancerosos, diz estudo apresentado na 76ª reunião científica do American College of Gastroenterology (Colégio Americano de Gastroenterologia), realizada nesta semana em Washington, nos Estados Unidos.

 

O estudo, "O 'Efeito Mozart' e a Detecção de Adenoma", de Catherine Noelle O'Shea e David Wolf, ambos do Centro de Ciência e Saúde, da Universidade do Texas, em Houston, diz que a taxa de detecção de adenoma varia de acordo com a proporção de pacientes submetidos à triagem feita pela colonoscopia. O aumento nos casos de pólipos pré-cancerosos encontrados com a ajuda da música, em relação aos procedimentos sem Mozart, foi de nenhum para dois.

 

Essas taxas de detecção de adenoma foram calculadas ao longo de um período de um ano antes do início do estudo. O "Efeito Mozart" refere-se a um conjunto de resultados da pesquisa que mostrou que ouvir a música do concertista pode resultar em uma melhora de curto prazo e significativa no raciocínio temporal espacial dos médicos.

 

 

Neste estudo clínico, dois médicos com a experiência de pelo menos mil colonoscopias já realizadas se submeteram a um novo fluxo de colonoscopias. A diferença desta vez é que, aleatoriamente, eles trabalharam com Mozart ou sem nenhuma música durante os procedimentos. As taxas de detecção de adenomas foram então calculadas e comparadas com as taxas de referência já existentes.

 

"Ambos os profissionais tiveram maiores taxas de detecção de adenoma toda vez que ouviram a música de Mozart quando comparado com as suas taxas de referência", disse o pesquisador Dr. O'Shea. O primeiro deles teve uma taxa de detecção de adenoma de 66,7% ao ouvir Mozart e 30,4% sem a música. Já o segundo, teve uma taxa de detecção de adenoma de 36,7 com Mozart e 40,5% sem a música. As taxas de detecção de base foram 21,2%(médico 1) e 27,16% (médico 2).

 

Adenoma é um tipo de pólipo de cólon considerado o precursor do câncer colorretal invasivo (CRC), que é o terceiro câncer mais comum diagnosticado em homens e mulheres nos Estados Unidos e a segunda principal causa de morte por câncer, em ambos os sexos. Segundo a Sociedade Americana do Câncer, 102,9 mil novos casos de câncer de cólon (49,4 mil em homens e 53,4 mil em mulheres) foram diagnosticados nos Estados Unidos em 2010.

 

"A taxa de detecção do adenoma é associada a uma redução na incidência de câncer colorretal, por isso esse é um indicador de extrema importância para a colonoscopia", disse o pesquisador O'Shea. "Nós faremos qualquer coisa que mostre potencial para salvar vidas. Embora este seja um pequeno estudo, os resultados nos indicam como pensar fora da caixa, neste caso usando Mozart, para melhorar as taxas de detecção de adenoma. Isso pode se revelar potencialmente útil para médicos e pacientes", explica.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.