Espaço para respirar
Conteúdo Estadão Blue Studio

Espaço para respirar

Médica transformou a paixão por viagens em serviço no Instagram durante a pandemia

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2021 | 07h30

Refugiar-se na natureza, perto de uma cachoeira ou com uma piscina exclusiva – tudo para respeitar o distanciamento social – é o sonho de consumo de muita gente que ficou praticamente trancada em apartamentos ou dedicada quase 100% ao trabalho e aos cuidados com a casa no último um ano e meio.

Para Larissa Pereira, médica residente no Hospital do Servidor Público Municipal em São Paulo, o sonho se concretizou. Exausta de longos plantões na linha de frente, a jovem de 33 anos começou a garimpar casas isoladas onde pudesse se refugiar nos dias de folga com o então namorado (agora marido) e o cachorro que adotaram juntos.

“Nós ficamos muito fechados no apartamento, eu só saía para trabalhar. Era aquele estresse – desce do elevador, passa álcool, chega em casa, coloca as roupas para lavar, aquilo que todo mundo passou. Com uns dois meses [de pandemia] mais ou menos, vimos nas redes sociais alguém que tinha ido para uma casa na serra de São Paulo, e ficamos muito encantados.”

A primeira viagem foi mesmo para a serra paulista. O cachorro brincou no jardim, Larissa colocou os pés na grama e se emocionou com a vista. “Foi algo que me ajudou muito a me reconectar com a natureza, comigo, a me trazer tranquilidade”, relata a médica.

Larissa é formada em Odontologia e Medicina, e tinha acabado de começar o segundo ano de residência em Otorrinolaringologia quando o novo coronavírus chegou ao Brasil. Assim como milhares de outros profissionais, ela foi deslocada de suas funções corriqueiras para cuidar de pacientes com covid. Primeiro era no auxílio da triagem, mas com a alta demanda vieram o pronto-atendimento, a enfermaria e até a UTI Covid. “Na época foi algo que gerou bastante medo de não conseguir desempenhar o trabalho – além do medo de contaminação. Eu lembro de ter ligado para os meus pais, preocupada, mas na época não tinha muita escolha, foi isso que aconteceu”, recorda.

O desafio foi sendo vencido aos poucos, e Larissa destaca o papel dos médicos mais experientes no auxílio aos residentes. A rotina continuou pesada, mas ela percebeu que conseguia juntar alguns plantões e, assim, pegar mais dias de folga seguidos.

As viagens ficaram mais frequentes e os amigos começaram a pedir dicas sobre como encontrar casas isoladas como ela fazia. “Depois, amigos de amigos começaram a me procurar. Gente que eu nem conhecia…”, lembra. Foi quando, em julho de 2020, surgiu a ideia de criar uma página no Instagram para reunir as hospedagens dos sonhos.

O nome veio naturalmente, diz Larissa: Achados do Airbnb. “Destinos brasileiros garimpados com amor⁣”, diz a descrição da página, que hoje já acumula mais de 360 mil seguidores, e que cresceu rapidamente, atraindo quem desejava escapar da cidade com isolamento e segurança, como Larissa. “Eu chegava em alguns lugares e ficava até emocionada. Vivia aquele negócio tão pesado, e chegava para curtir a casa, a natureza, o gramado.”

Quem pensa que a médica fica ainda mais exausta ao ter de garimpar os achados por horas após longas jornadas no hospital se engana:  “Só de olhar as casas, sonhar com aquela vista… isso me descansa”.

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Tudo o que sabemos sobre:
médicomedicinaprofissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.