Denis Balibouse/Reuters<br>
Denis Balibouse/Reuters<br>

Especialista em Ebola sugere monitorar aeroportos brasileiros

‘Não existe motivo para pensar que o Brasil não seria afetado’, diz Peter Pior, microbiólogo belga que descobriu o vírus em 1976

Jamil Chade, Correspondente

08 Outubro 2014 | 03h00

GENEBRA - O Brasil deve concentrar seu plano de prevenção contra o Ebola nos aeroportos, controlando as portas de entrada do País. O alerta é de Peter Piot, microbiólogo belga que descobriu o vírus em 1976 e hoje atua como consultor da Organização Mundial da Saúde (OMS) diante do pior surto da doença na história.

Em entrevista ao Estado, Piot deixa claro que todos os países precisam estar preparados. “Da mesma forma que o vírus chegou à Espanha, ele também pode chegar ao Brasil”, disse. “As pessoas viajam e não há uma fronteira para o vírus”, declarou o cientista da London School of Hygiene. “Não existe motivo para pensar que o Brasil não seria afetado.” 

Considerado o maior especialista no mundo sobre Ebola, ele insiste que a forma mais eficiente de trabalho é a prevenção. “Essa deve ser a principal atenção do Brasil: reforçar os controles nos aeroportos”, insistiu.

Em 1976, Piot percorreu dezenas de vilarejos pelo Zaire para entender como um novo vírus era transmitido. Três meses depois de detectar o primeiro surto, a doença foi controlada. Mas deixou 300 mortos. Agora, ele começa a liderar na OMS um grupo de especialistas que tem como missão coordenar a resposta científica.

Para o cientista, a chave para barrar uma contaminação em outras regiões do mundo é atacar o surto no Oeste da África. Piot não esconde que teme que casos identificados nos Estados Unidos e na Espanha acabem tirando o foco da comunidade internacional: o problema real está na África. “A única forma de prevenção é controlar esse surto nos países africanos”, disse, em Genebra.

Piot chega a ser irônico ao falar da repercussão do surto atual. “Foram necessários dois americanos contaminados para que o mundo mobilizasse recursos”, atacou. “Esse é o mundo.” Ainda ontem, o Pentágono informou que destinará US$ 750 milhões para o combate à doença e os 4 mil militares mobilizados para atuar na África Ocidental podem ficar até um ano em missão.

Sobre o caso da enfermeira espanhola contaminada por um doente repatriado, o cientista belga também não mostra surpresa. “O risco sempre existiu e eu avisei.” Segundo ele, nem todos os hospitais estão prontos para agir nesses casos. “Ninguém na Europa tem experiência com isso e um pequeno erro pode ser fatal. Por isso, o caso de Madri é uma lição a todos. Ninguém tem o direito de achar hoje que está exagerando nas medidas de precaução. Elas precisam ser adotadas”, insistiu.

Teresa Romero Ramos apresentou-se como voluntária para cuidar de dois sacerdotes espanhóis infectados. Depois de confirmada sua contaminação, 50 pessoas agora estão sob vigilância sanitária - 22 tiveram contato direto com a auxiliar de enfermagem de 44 anos e 4 foram internadas. A perspectiva de que até o cachorro de Teresa fosse sacrificado, por medo da doença, mobilizou defensores dos direitos dos animais.

Falha. Em entrevista ao Estado, Piot ainda deixa claro que a OMS falhou. “Parar a epidemia é uma prioridade. O mundo parece que finalmente acordou. Existe uma aceleração no desenvolvimento de tratamentos, de vacinas. Mas agora é importante que isso seja feito de forma coordenada.” Nos Estados Unidos, os dois pacientes em tratamento, um deles em estado grave, estão recebendo uma nova droga experimental, chamada Brincidofovir.

Mais conteúdo sobre:
Ebola

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.