Especialista: explosão solar interrompe comunicações e ameaça tecnologias

Explosão de classe X do dia 15 de fevereiro iniciou uma tempestade geomagnética no campo magnético da Terra

estadão.com.br,

21 Fevereiro 2011 | 14h01

 

The sun emitted its first X-class flare in more than four years on February 14 at 8:56 p.m. EST.

 

 

SÃO PAULO - Uma poderosa explosão solar, que deu origem à maior tempestade geomagnética em quatro anos, já interrompeu alguns meios de comunicação na Terra, afirmou o professor Daniel Baker, da Universidade de Colorado Boulder, conhecido como especialista em meteorologia do espaço.

 

Veja também:

link Imagens da Nasa mostram grande explosão solar

 

Classificada como uma explosão de classe X, o evento do dia 15 de fevereiro também mandou bilhões de toneladas de partículas carregadas em direção à Terra no que foi chamado de ejeções coronais em massa e iniciou uma tempestade geomagnética no campo magnético da Terra, disse Baker.

 

Essas poderosas ejeções podem provocar uma variedade de questões socioeconômicas e de segurança, variando da interrupção do funcionamento dos sistemas de navegação de linhas aéreas até colar em risco a segurança das tripulações de aviões em naves espaciais.

 

Baker afirma que o "Sol está acordando" depois de passar diversos anos em seu estado de menor atividade desde o início do século XX.

 

Depois da explosão do dia 15, o Serviço Geológico Britânico (BGS) emitiu um alerta, dizendo que luzes noturnas decorrentes da atividade solar podem ser observadas no norte da Reino Unido. As erupções e consequentes feixes luminosos são causados por uma repentina liberação de energia magnética guardada na atmosfera solar.

 

O BGS acredita que o estudo das atividades solares prévias pode ajudar a estabelecer previsões sobre feixes futuros e evitar eventuais danos a infraestruturas terrestres.

 

Em 1972, uma tempestade geomagnética provocada por um feixe solar derrubou a rede de comunicações do Estado americano de Illinois. E, em 1989, a rede elétrica de Québec, no Canadá, foi prejudicada pela atividade solar.  (com BBC)

Mais conteúdo sobre:
sol comunicações tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.