Especialistas conseguem determinar idade do 'manuscrito mais misterioso do mundo'

Manuscrito Voynich, incompreensível até hoje, foi escrito entre 1404 e 1438

Estadão.com.br

14 Fevereiro 2011 | 12h03

 

 

Pesquisadores da Universidade do Arizona conseguiram datar o que alguns chamam "o manuscrito mais misterioso do mundo". O manuscrito Voynich, um livro cheio de desenhos e escritos que ninguém foi capaz de dar sentido a este dia, foi feito, segundo os pesguisadores, entre 1404 e 1438, no Renascimento.

 

Usando datação por radiocarbono (Carbono-14), uma equipe liderada por Greg Hodgins no departamento de Física da UA descobriu que aspáginas do manuscrito em pergaminho datam do início do século 15, tornando o livro um século mais velho que os estudiosos haviam imaginado.

 

Este livro possui linhas de texto rabiscado em pergaminho visivelmente envelhecidos, que flui ao redor ilustrações primorosamente desenhada retratando plantas, tabelas astronômicas e figuras humanas em banho - talvez - a fonte da juventude. À primeira vista, o "manuscrito Voynich" não parece ser diferente de qualquer outro trabalho antigo de escrita e desenho.

 

Mas uma segunda olhada revela que nada aqui é o que parece. Caracteres estranhos, letras que lembram o latim, outras ao contrário de qualquer coisa usada em qualquer língua conhecida, são organizadas em que parecem ser palavras e frases, exceto que eles não se parecem com nada escrito - ou lido - por seres humanos.

 

 

 

Hodgins, um cientista assistente da pesquisa e professor assistente no departamento de Física da UA, está fascinado com o manuscrito.

 

"É um código, uma cifra de algum tipo? As pessoas estão fazendo análises estatísticas do uso das letras e das palavras, instrumentos que têm sido utilizados para decifrar códigos. Mas eles ainda não conseguiram entender o que significa."

 

O manuscrito, que atualmente pertence ao Beinecke Rare Book and Manuscript Library da Universidade de Yale, foi descoberto em Villa Mondragone, perto de Roma, em 1912 pelo antigo livreiro Wilfrid Voynich enquanto selecionava itens de um baú de livros colocado à venda pela Companhia de Jesus. Voynich dedicou o resto de sua vida para desvendar o mistério da origem do livro e decifrar seus significados. Ele morreu 18 anos depois, sem ter descoberto qualquer segredo do livro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.