Mount Sinai Health System/AFP
Mount Sinai Health System/AFP

Especialistas de comitê do ministério dizem não ter dado aval à versão final de plano de vacinação

Pesquisadores convidados pela pasta para participar da elaboração do documento afirmam que versão final do texto não foi apresentada ao grupo; Saúde rebateu críticas e disse que eles não tinham poder de decisão

Fabiana Cambricoli, Rafael Moraes Moura e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2020 | 21h50

SÃO PAULO E BRASÍLIA - Um grupo de especialistas que fez parte do comitê que assessorou o Ministério da Saúde na elaboração do plano nacional de vacinação contra a covid-19 - e cujos nomes constam na lista de colaboradores do documento - divulgou nota na noite deste sábado, 12, afirmando não ter sido consultado sobre a versão final do texto, tornado público neste sábado após o governo federal enviar o plano ao Supremo Tribunal Federal (STF). No domingo, 13, a pasta rebateu as críticas e disse que esses técnicos não tinham "qualquer poder de decisão" sobre o plano de imunização. 

“Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência”, diz nota assinada por 36 especialistas do grupo técnico do eixo epidemiológico do comitê. O trabalho dos especialistas no comitê era dividido em dez eixos temáticos.

Na nota, os pesquisadores dizem que ficaram sabendo da divulgação do plano pela imprensa. Eles destacam que, antes da divulgação do documento, haviam solicitado reunião com o ministério e "manifestado preocupação" com a retirada de grupos prioritários (presidiários foram removidos da lista de grupos que seriam vacinados) e com a não inclusão de todas as vacinas disponíveis que se mostrarem seguras e eficazes. O pedido havia sido feito na quarta-feira, 9, em outra nota pública divulgada pelo grupo.

No Twitter, uma das pesquisadoras reclamou da postura do ministério. Professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Ethel Maciel disse que nunca passou por uma situação parecida em 25 anos de carreira. "Nós, pesquisadores que estamos assessorando o governo no Plano Nacional de Vacinação da Covid-19, acabamos de saber pela imprensa que o governo enviou um plano, no qual constam nossos nomes e nós não vimos o documento", escreveu ela, em sua conta na rede social.

Ao Estadão, a especialista disse que não teve acesso a nenhuma versão do documento, somente a informações apresentadas pelo ministério em uma reunião. "Houve uma apresentação de power point pela coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI), mas coisas que estão no documento estão diferentes em relação ao que ela apresentou. Não circulou uma versão preliminar para a gente olhar e opinar", destacou.

Ethel disse que o grupo técnico pediu uma reunião com o ministério para esclarecimentos sobre o ocorrido e a pasta ficou de dar uma resposta sobre a possibilidade de encontro na segunda-feira, 14.

Grupo cobra inclusão de mais vacinas no plano

Na nota divulgada neste sábado, os especialistas voltaram a cobrar que "todas populações vulneráveis sejam incluídas na prioridade de vacinação, como indígenas, quilombolas, populações ribeirinhas, privados de liberdade e pessoas com deficiência". Eles destacam ainda a necessidade de "ampliação do escopo para todos os trabalhadores da educação" (não só os professores) e a inclusão de funcionários de outros serviços essenciais.

Solicitam ainda ao governo federal "esforços do Ministério da Saúde para que sejam imediatamente abertas negociações para aquisição de outras vacinas que atendam aos requisitos de eficácia, segurança e qualidade, inclusive com laboratórios que reúnam condições de produção e oferta de doses de vacina e com outras empresas também com oferta de vacinas seguras e eficazes".

Os pesquisadores destacam que "um atraso na campanha de vacinação significa vidas perdidas" e que é preciso utilizar a ciência para a tomada de decisão que norteará o que mais importa: a preservação de vidas. "Essa é a mais importante tarefa de nosso tempo e todos os esforços devem ser envidados para a sua realização oportuna, segura e efetiva", diz o grupo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.