Reuters
Reuters

Especialistas dizem que falta vontade política para vencer Aids

Descumprimento de promessas dos países ricos de darem acesso universal aos tratamentos é alvo de críticas

Efe,

11 Março 2010 | 13h47

A falta de vontade política e o preconceito são dois dos principais obstáculos na luta contra a Aids, uma doença que mata cinco mil pessoas por dia. As declarações foram feitas nesta quinta-feira, 11, em Viena pelos responsáveis pela conferência internacional sobre a Aids que será realizada em julho. O encontro busca chamar atenção sobre a necessidade de redobrar os esforços contra a epidemia e também quer que o respeito aos direitos humanos seja uma prioridade absoluta.

 

Veja também:

linkVírus da aids consegue 'se esconder' durante tratamentos

linkAids é a principal causa de morte de mulheres até 49 anos  

 

"Hoje em dia temos as ferramentas para parar o HIV/Aids. Se não fizermos isso é porque não fomos capazes de mobilizar a vontade política necessária", afirmou Julio Montaner, presidente da conferência e diretor da Sociedade Internacional da Aids.

 

"Poderíamos vencer esta epidemia em uma geração", afirmou à Agência Efe o também responsável do Centro de Excelência em Aids/HIV da Colúmbia Britânica, no Canadá. Ele argumentou que, inclusive, se as pesquisas para achar uma cura fossem interrompidas, a doença poderia ser vencida aplicando os conhecimentos que já temos.

 

Montaner recriminou os países mais ricos, que tem descumprido as promessas de conseguir para 2010 o acesso universal aos tratamentos contra a Aids e aos programas de prevenção. "As promessas foram feitas antes da crise", lembrou. "Nem antes nem depois tínhamos dinheiro para a Aids". "A razão pela qual o dinheiro não existe é por que não é uma prioridade política. Porque os doentes, os infectados não votam", denunciou o cientista de origem argentina.

 

A conferência também quer centrar o interesse na relação entre direitos humanos e Aids. "Direitos aqui, agora" é o lema de uma das mesas do encontro, que espera contar com a presença de 25 mil especialistas.

 

"Vai ser uma conferência para pedir mais justiça social", disse Michel Sibidé, diretor-executivo do Programa da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Aids. Sibidé afirmou que nos últimos anos os recursos contra a Aids passaram para US$ 16 bilhões, o que permitiu multiplicar por dez o número de pessoas em tratamento. Mas o especialista lembrou que "a Aids não terminou" e pôs sobre a mesa os números da tragédia: sete mil infecções a cada dia e 400 mil bebês que nascem infectados ao ano na África.

 

Sibidé alertou também contra a criminalização das vítimas da Aids, especialmente dos homossexuais, prostitutas e drogados. Nesse sentido, Montaner disse que as políticas de redução de danos (troca de seringas, drogas substitutivas) ajudam a iniciar os viciados no uso dos medicamentos retrovirais que salvarão suas vidas e reduzirão os níveis de transmissão da Aids. "Os tratamentos com retrovirais não só permitem pôr o vírus da Aids em remissão, mas também são capazes de eliminar virtualmente a transmissão do HIV" (Vírus de Imunodeficiência Humana), inclusive de mães a filhos, indicou.

Mais conteúdo sobre:
aidscombatepolitica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.